Página inicial
Sala de leitura
Enem
Críticas e sugestões
Eventos
Links paratodos
videos
 


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA ALGUNS VIDEOS DIDÁTICOS CPTEC.INPE


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA JOGO – QUEBRA CABEÇA COM MAPA-MÚNDI FÍSICO


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E CONHEÇA MAPA INTERATIVO DAS EMISSÕES DE CO2 NOS DIFERENTES PAÍSES DO MUNDO E DADOS DEMOGRÁFICOS.


CLIQUE NA IMAGEM
ACIMA, E JOGUE COM O MAPA DA EUROPA


CLIQUE NA IMAGEM E LEIA AS MANCHETES DE HOJE DOS JORNAIS DE TODO O
MUNDO.


VEJA O QUANTO VOCÊ CONHECE SOBRE CONTINENTES E OCEANOS


2 JOGOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL


CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA O MAPA-MÚNDI INTERATIVO

site www.geocienciasnomapa.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E CONHEÇA UM SERVIÇO DE LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DE TESES E DISSERTAÇÕES EM GEOCIÊNCIAS

 

Capítulo 14 – Domínios morfoclimáticos e questão ambiental no Brasil

 

VESTIBULAR 2014

 

(UPE) O desmatamento é a atividade humana, que afeta diretamente as maiores áreas na parte florestada da Amazônia brasileira. A área desmatada é maior que a França.

Philipe Fearnside

 

Diversas mudanças ambientais, decorrentes do desmatamento referido pelo pesquisador, afetam negativamente os seres humanos na Amazônia.

Sobre elas, analise os itens a seguir:

 

I. Redução de ciclagem d’água

II. Perda da capacidade produtiva dos ecossistemas

III. Decréscimo no armazenamento do carbono

IV. Alteração na formação de nuvens e na química da atmosfera

V. Aumento do assoreamento de cursos fluviais

 

Estão CORRETOS

a) apenas II e V.

b) apenas I, II e III.

c) apenas I, IV e V.

d) apenas II, III e V.

e) I, II, III, IV e V.

 

(URCA) Sobre a Chapada do Araripe, e mais especificamente, sobre a Floresta Nacional do Araripe, assinale o que for correto.

 

a) É uma formação florestal com extrema variedade de vegetais como árvores, arbustos e epífitas, dentre outros locais, ocupa as encostas meridionais da Chapada do Araripe.

b) A alta precipitação à sotavento nas encostas da Chapada do Araripe a torna mais úmida, sendo aí, uma mata tropical de encosta, halófila e aciculifoliada.

c) Muitas espécies de madeira aparecem na constituição da Mata Atlântica, como o Pequizeiro, a Janaguba, o Cajuí e o Visgueiro, além de outras espécies de musgos.

d) A Floresta Nacional do Araripe, com uma área de mais de 38.000 hectares tem por objetivos, a promoção do manejo de uso múltiplo sustentável dos recursos florestais; e a conservação da fauna e da flora da região compreendida pelo Complexo do Altiplano Sedimentar da Chapada do Araripe.

e) A proteção da Floresta Nacional do Araripe visa a preservação da vegetação bem como dos mananciais que ali se encontram, sendo criados parques como o Parque de Proteção Ambiental do Araripe APA.

 

(URCA) Sobre problemas ambientais no Brasil e assuntos correlatos, analise as afirmativas a seguir:

 

1) A carcinicultura, desenvolvida nos estuários, vem provocando a destruição dos manguezais.

2) A abertura de estradas contribui para o desmatamento, facilitando o acesso à madeira e tornando possível a exploração agropecuária das áreas atingidas pelas estradas.

3) As grandes áreas de monocultura estimulam a proliferação de plantas invasoras que encontram condições de desenvolvimento no novo ambiente.

 

Assinale:

a) se apenas a afirmativa 2 estiver correta.

b) se apenas as afirmativas 1 e 2 estiverem corretas.

c) se todas as afirmativas estiverem corretas.

d) se apenas as afirmativas 1 e 3 estiverem corretas.

e) se apenas as afirmativas 2 e 3 estiverem corretas.

 

(UEMA) Na Sub-bacia hidrográfica do Rio Maracanã, na Ilha do Maranhão, existem duas Unidades de Conservação (UCs). São elas, o Parque Estadual do Bacanga e a Área de Proteção Ambiental (APA) do Maracanã que sofrem impactos ambientais, apesar dos objetivos de proteção que as norteiam.

Fonte: SÂO LUÍS (Prefeitura). Projeto Recuperação das águas degradadas de recarga e descarga do Aquífero Barreiras da Sub-bacia do Rio Maracanã – Nº 574484/2008. São Luís, 2011.

 

As Unidades de Conservação (UC's) foram criadas para

a) utilizar os seus recursos sob quaisquer formas e processos.

b) expressar esforços do homem para alterar as condições do ambiente.

c) diminuir a degradação ambiental, explorando os recursos da natureza.

d) conservar o estado de equilíbrio do ambiente e dos recursos naturais.

e) racionalizar as intervenções em determinado lugar com foco na satisfação do homem.

 

(UNAMA)

 

Impactos ambientais sobre os domínios morfoclimáticos do Brasil.

 

Impacto ambiental deve ser entendido como resultados de ações que modifiquem o ambiente, podendo produzir danos, muitas vezes irreversíveis.

Ao longo da história, a ocupação humana dos domínios morfoclimáticos brasileiros provocou impactos ambientais de diversos tipos.

 

Adas, Melhem; Adas, Sergio. Expedições Geográficas, 7o ano. São Paulo: Moderna, 2011.

 

A partir do texto acima e dos seus conhecimentos geográficos sobre os impactos ambientais que resultaram da ação antrópica nos domínios morfoclimáticos brasileiros, é correto afirmar que no (as)

a) domínio amazônico e no domínio do cerrado o avanço dos projetos agropecuários, grandes projetos minero-metalúrgicos, garimpos e hidrelétricas, causam desmatamento e queimadas, com graves consequências para a flora e a fauna, além de erosão do solo, inundações, assoreamento, contaminação de rios, que afetam diretamente as comunidades locais e os povos que sobrevivem da floresta.

b) faixas de transição e no domínio das pradarias, o avanço da cultura da soja e a pecuária intensiva causam desmatamento e lixiviação do solo, pois utilizam imensas áreas para desenvolver o processo produtivo, fato que deixa o solo desprotegido e sujeito às intempéries da natureza.

c) domínio das araucárias e no domínio dos mares de morro, é visível a expansão urbana e industrial, inclusive na faixa litorânea, fato que acarreta a contaminação do solo e das vertentes de rios, trazendo como consequência a lixiviação do solo, o assoreamento e a eutrofização.

d) domínio da caatinga, ocorre intenso desmatamento praticado por grandes grupos econômicos e a exploração de lenha para uso doméstico e produção de carvão, fatos que têm causado a perda da biodiversidade, a erosão do solo bem como sua “arenização”.

 

(UEA)

 

Atuam com o objetivo específico de promover a conectividade entre fragmentos de áreas naturais. Eles são definidos no SNUC (Sistema Nacional de Unidades de Conservação) como porções de ecossistemas naturais ou seminaturais, ligando unidades de conservação, que possibilitam entre elas o fluxo de genes e o movimento da biota, facilitando a dispersão de espécies e a recolonização de áreas degradadas, bem como a manutenção de populações que demandam para sua sobrevivência áreas com extensão maior do que aquelas das unidades individuais.

 

(www.mma.gov.br. Adaptado.)

 

O instrumento de gestão territorial definido pelo texto é conhecido como

 

a) parque nacional.

b) reserva extrativista.

c) reserva de desenvolvimento sustentável.

d) refúgio de vida silvestre.

e) corredor ecológico.

 

(UFPR) A Lei no 9.985 de 18 de julho de 2000 instituiu, no Brasil, o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, dividindo-as em dois grupos: as Unidades de Proteção Integral e as Unidades de Uso Sustentável. Defina o que são Unidades de Conservação, caracterizando os dois grupos e citando exemplos de cada um deles.

 

Resposta.

 

As Unidades de Conservação Ambiental (UCs) são espaços geralmente formados por áreas contínuas, estabelecidos com a finalidade de preservar ou conservar a flora, a fauna, os recursos hídricos, as características geológicas e geomorfológicas (formas do relevo), as belezas naturais, zonas costeira e marinha, enfim, a integridade do ambiente.

As Unidades de Conservação de Proteção Integral não admitem exploração dos recursos naturais. Permitem somente o uso indireto dos seus atributos naturais para pesquisa e turismo ecológico. Estão incluídos nessa categoria: as Estações Ecológicas (Esec), as Reservas Biológicas (Rebio), os Monumentos Naturais (MN), como o Pão de Açúcar, os Parques Nacionais (Parna) e os Refúgios da Vida Silvestre (Revis). Nas Estações Ecológicas e Reservas Biológicas é permitida apenas a pesquisa científica. Nas demais Unidades de Conservação de Proteção Integral admite-se, além das atividades de pesquisa, a visitação pública.

Nas Unidades de Uso Sustentável admite-se a compatibilização da conservação da natureza com o uso sustentável, através do manejo adequado dos recursos naturais. Pertencem a esse grupo as Áreas de Proteção Ambiental (APA), Áreas de Relevante Interesse Ecológico (Arie), as Florestas Nacionais (Flona), as Reservas Extrativas (Resex), as Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS), as Reservas de Fauna (Refau) e as Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN).

 

(UFPR) Num clássico trabalho publicado         em 1967, o geógrafo brasileiro Aziz Nacib Ab'Saber caracterizou seis grandes domínios morfoclimáticos, apresentados no mapa ao lado, cujas áreas estão relacionadas a regiões climatobotânicas, áreas geopedológicas, províncias fitogeográficas e regiões hidrológicas particularmente bem definidas.

 

 

Cada quadro na legenda, de 1 a 6, no mapa, representa um domínio morfoclimático. Numere as caracterizações abaixo, estabelecendo sua correspondência com a legenda do mapa.

 

(      ) Domínio dos planaltos de araucárias, com predomínio de drenagens perenes e solos diversificados. (      ) Domínio dos chapadões recobertos por cerrados e penetrados por florestas de galerias, composto por planaltos de estrutura complexa, capeados ou não por lateritas de cimeira, planaltos sedimentares com vertentes em rampas suaves, drenagens espaçadas pouco ramificadas.

(      ) Domínio das terras baixas florestadas com planícies de inundação labirínticas e/ou meândricas, tabuleiros extensos e morros baixos e arredondados nas áreas cristalinas adjacentes, terraços de cascalhos e/ou laterita, rios com elevada carga de sedimentos e drenagens perenes.

(      ) Domínio das depressões interplanálticas semiáridas, revestido por diferentes tipos de caatingas, apresenta fraca decomposição das rochas com frequentes afloramentos, chãos pedregosos e drenagens intermitentes.

(      ) Domínio das pradarias mistas, coxilhas extensivas, grandes matas subtropicais, apresenta fraca decomposição das rochas e presença de banhados.

(      ) Domínio dos mares de morros florestados, apresenta fortíssima e generalizada decomposição de rochas, densas drenagens perenes, extensiva mamelonização.

 

Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta, de cima para baixo.

 

a) 5 – 2 – 1 – 4 – 6 – 3.

b) 1 – 4 – 5 – 2 – 6 – 3.

c) 1 – 2 – 6 – 5 – 3 – 4.

d) 5 – 6 – 1 – 4 – 3 – 2.

e) 3 – 4 – 6 – 5 – 1 – 2.

 

(CEFET-MG)

 

A categoria da Unidade de Conservação de Uso Sustentável, que tem por paradigma a Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, pretende se tornar um verdadeiro modelo alternativo à presença do Estado. Afinal, ela buscaria conciliar produção e proteção ambiental, pretenderia se tornar auto-sustentável, seria administrada por entidade não-governamental, com recursos financeiros principalmente privados ou governamentais, estrangeiros, prescindiria ao máximo possível da participação do Poder Público e tentaria fazer com eficiência tudo o que este deveria fazer.

 

RODRIGUES, José E. R. Sistema Nacional de Unidades de Conservação. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 2005. (Adaptado)

 

A questão ambiental no Brasil e no mundo está diretamente relacionada à influência da política e economia na reconfiguração da relação entre homem e natureza. Nesse contexto, a crítica apresentada no fragmento expressa a(o)

 

a) convicção pela abordagem dos ecologistas radicais, devido os limites reais da relação entre economia e sustentabilidade.

b) preocupação com a influência neoliberal na organização de Unidades de Conservação devido à minimização do poder público.

c) indignação com a criação de Unidades de Conservação de uso sustentável pelo enfraquecimento do seu caráter preservacionista.

d) temor aos princípios marxistas de reorganização social da terra por causa do limite à participação estrangeira no desenvolvimento regional.

e) receio da apropriação de recursos públicos por gestores privados, em função da autonomia legislativa inerente a esse modelo de Unidade de Conservação.

 

(FGV-eco)

 

[Na Amazônia] boa parte dos municípios que compõe a “mancha pioneira” apresenta as maiores taxas de desmatamento do bioma amazônico nos últimos anos... e um expressivo e perverso processo de especulação fundiária, no qual a grilagem e a venda ilegal de terras (inclusive pela internet) é o seu principal artífice. [...] A rarefeita presença humana e os meios rudimentares de sobrevivência de boa parte da população local, desprovida de capital e de qualificação, levam à configuração de um espaço descontínuo.

(Daniel Monteiro Huertas. Da fachada atlântica à imensidão amazônica. São Paulo: Annablume, 2009. p. 226. Adaptado)

 

Na “mancha pioneira”, que forma um arco de desmatamento, são predominantemente encontrados(as):

a) extração de madeira e agricultura de cana e milho.

b) extração de madeira, pecuária e cultivos de soja.

c) pecuária, cultivos de cana e extração de minérios.

d) extração de minérios, agricultura de milho e cana.

e) agricultura de soja e arroz e extração de minérios.

 

(FGV-adm)

 

Ao contrário do que alguns setores da sociedade imaginam, as Unidades de Conservação (UCs) não constituem espaços protegidos “intocáveis”, apartados de qualquer atividade humana [...] elas fornecem direta e/ou indiretamente bens e serviços que satisfazem várias necessidades da sociedade brasileira, inclusive produtivas.

 

http://www.unep.org.br/admin/publicacoes/texto/UCsBrasil_MMA_WCMC.pdf

 

 Considerando esse tema, examine as seguintes afirmações:

 

I. Nas florestas nacionais e estaduais, a exploração de madeira em tora é vetada, mas é possível gerar renda por meio da exploração de produtos não madeireiros, tais como borracha e castanha-do-pará.

II. Todas as unidades de conservação podem gerar receita com atividades turísticas.

III. Uma parcela significativa da qualidade e da quantidade da água que compõe vários dos reservatórios de usinas hidrelétricas no Brasil é assegurada por unidades de conservação.

IV. A conservação de florestas, incluindo as unidades de conservação, desempenha um papel entendido como vital nas iniciativas de combate às mudanças climáticas.

 

 Está correto o que se afirma em:

 

a) III e IV, apenas.

b) I e II, apenas.

c) I e III, apenas.

d) II e IV, apenas.

e) I, II, III e IV.

 

(FGV-adm) De acordo com Indicadores do Desenvolvimento Sustentável 2012, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Pampa é o segundo bioma com maior índice de desmatamento do país, com cerca de 54% de sua cobertura vegetal removida até 2009. Sobre as causas e as consequências da degradação desse bioma, é correto afirmar:

 

a) mais de metade da soja produzida no Brasil é cultivada dentro dos limites originais desse bioma, fato que ajuda a explicar o desmatamento.

b) o desmatamento vem aumentando a frequência de deslizamentos de terra em suas encostas íngremes, com graves consequências sociais e materiais.

c) o elevado índice de desmatamento resulta, principalmente, da exploração de madeiras de elevado

valor comercial.

d) a pecuária extensiva e a ampliação da área dedicada ao cultivo de arroz figuram entre as principais causas do desmatamento.

e) nos pampas de Santa Catarina, o desmatamento acelerado está associado à perda de fertilidade

dos solos e à ocorrência de extensas manchas de arenização.

 

(UNICAMP) “A preocupação com as ‘populações tradicionais’ que vivem em Unidades de Conservação é relativamente recente no Brasil, e até pouco tempo (e ainda hoje para os preservacionistas clássicos) elas eram consideradas ‘caso de polícia’, pois deveriam ser expulsas da terra em que sempre viveram, para a criação de parques e reservas”.

 

(Antonio Carlos S. Diegues, O mito moderno da natureza intocada. 3a edição, São Paulo: Hucitec, 2000, p.125.)

 

a) O que são as Unidades de Conservação e quais seus objetivos principais?

 

b) A chamada questão ambiental envolve polêmicas entre preservacionistas e conservacionistas. Explique em que consistem o preservacionismo e o conservacionismo.

 

Respostas.

 

a) As Unidades de Conservação são áreas naturais em terra ou mar juridicamente demarcadas, constituindo, assim, espaços de legislação especial, que têm por objetivo a manutenção da biodiversidade e das populações tradicionais.

 

b) Trata-se de um debate bastante presente entre ambientalistas, no qual os preservacionistas entendem que a intervenção humana na natureza é negativa, preconizando, por isso, a proteção integral de uma unidade de conservação. Já o conservacionismo objetiva proteger os recursos naturais, porém, com uma utilização racional, que garanta a sustentabilidade para as gerações futuras.

 

(UNICAMP) Assinale a alternativa que indica corretamente a localização e uma característica predominante dos domínios morfoclimáticos do Cerrado, da Caatinga e dos Mares de Morros.

 

a) 1, Cerrado, com clima subtropical; 2, Caatinga, com rios perenes; 3, Mares de Morros, com vegetação do tipo savana estépica.   

b) 1, Caatinga, com clima semiárido; 2, Mares de Morros, com mata atlântica; 3, Cerrado, com vegetação do tipo savana.   

c) 1, Caatinga, com clima tropical de altitude; 2, Mares de Morros, com rios intermitentes; 3, Cerrado, com mata de araucária.   

d) 1, Cerrado, com vegetação do tipo savana; 2, Caatinga, com clima semiárido; 3, Mares de Morros, com mata atlântica

(MACKENZIE)

 

 

O mapa reúne a classificação da paisagem natural brasileira proposta pelo geógrafo Aziz Ab’Saber que utilizou como eixo de sua análise a relativa homogeneidade no conjunto do quadro natural, formado pelo relevo, clima, vegetação e hidrografia sobre áreas contínuas do país.

 

Com base na interpretação do mapa, assinale a alternativa INCORRETA.

a) O domínio identificado pelo número 1 está localizado predominantemente em áreas de terras baixas, abriga uma extensa planície, além de depressões e planaltos em suas bordas. Apresenta solos com baixa fertilidade. Contém a maior bacia hidrográfica do mundo.

b) O domínio identificado pelo número 5 é caracterizado pelo clima tropical típico com pequenas amplitudes térmicas anuais. Apresenta extensas planícies férteis, recobertas por uma vegetação herbácea normalmente utilizada para o cultivo do trigo e bastante apropriada à criação de gado.

c) O domínio identificado pelo número 2 é conhecido por solos ácidos. Apresenta clima tropical com invernos secos e verões chuvosos, abriga importantes chapadas, dentre elas a dos Guimarães.

d) O domínio identificado pelo número 3 apresenta predominante vegetação xerófila, bem adaptada ao clima semiárido com arbustos caducifólios e espinhosos em meio a cactáceas, como o xique-xique e o mandacaru.

e) O domínio identificado pelo número 4 é conhecido como Mares de Morros. Apresenta clima tropical úmido, composto por formações com as Serras do Mar, da Mantiqueira, do Espinhaço e Geral. Essa fisionomia se deve à intensa erosão causada, principalmente, pelos índices pluviométricos anuais presentes ao longo dessa área.

 

(UNICAMP) As pradarias mistas representam importante domínio fitogeográfico. Elas ocorrem em uma vasta área dos Estados brasileiros do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, mas também se estendem para o Uruguai e a Argentina.

 

a) Descreva as características morfoclimáticas (relevo e clima) predominantes nas áreas de abrangência das pradarias pampeanas do Estado do Rio Grande do Sul.

 

b) Aproveitando-se das condições naturais das pradarias pampeanas, a pecuária tem destaque nesse domínio, especialmente no sul do Rio Grande do Sul. Descreva as principais características dessa atividade nesse Estado, destacando os tipos de rebanhos predominantes.

 

Respostas.

 

a) As pradarias pampeanas do Estado do Rio Grande do Sul caracterizam-se por apresentar um relevo de baixas colinas, as chamadas coxilhas, ou seja, um relevo suavemente ondulado recoberto por gramíneas, arbustos e árvores esparsas, daí se caracterizar esses espaços como campos limpos e sujos. O clima é o subtropical, de característica mesotérmica, com verões quentes e invernos bastante rigorosos e com chuvas bem distribuídas ao longo do ano.

 

b) Desde o período colonial essa região tem sido caracterizada pela presença de grandes e médias propriedades, onde foram implantadas raças bovinas europeias. Trata-se historicamente de pecuária extensiva e de corte, atualmente voltada para exportação. Mas também se encontra na região o gado ovino, que, apesar de não ter a importância do gado bovino, acaba por ser o maior rebanho do Brasil.

 

(UNESP)

 

ONU: desastres naturais atingem 7,5 milhões de pessoas no Brasil

A ideia de um país abençoado por Deus e sem desastres naturais dificilmente resistiria às provas dos números apresentados na segunda-feira [24.01.2011] pela Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com o relatório da ONU, entre 2000 e 2010, o Brasil foi atingido por 60 catástrofes naturais, que deixaram 1,2 mil mortos.

(http://ultimosegundo.ig.com.br. Adaptado.)

 

Indique dois tipos de desastres naturais frequentes no Brasil e aponte duas medidas que podem ser tomadas pelo poder público para reduzir o número de mortes relacionadas a eles.

 

Resposta.

 

O Brasil foi atingido por dois tipos de desastres naturais:

 

• deslizamentos de encostas

• enchentes

 

Tais eventos foram agravados pela ação humana, os quais atingiram grandes contingentes populacionais, provocando perdas materiais e humanas.

A ocupação irregular das encostas, associada ao desmatamento, acentua o problema do deslizamento.

O outro problema, que é o das enchentes, decorre da falta de infraestrutura e comprometimento dos cursos d’água para um melhor escoamento das águas pluviais e a própria vazão dos rios.

Quanto às medidas que podem ser tomadas pelo poder público para reduzir o número de mortes provocadas por esses eventos, podemos citar:

 

• Programa de microdrenagem, com a construção de piscinões.

• Políticas habitacionais implementar a longo prazo.

• Adequação das edificações à topografia dos terrenos.

• Preservação da vegetação de topo de morros e encostas.

• Remoção da população das áreas de risco.

• Implantação de sistemas de monitoramento e alerta às populações (como o uso de sirenas).

• Monitoramento dos índices pluviométricos.

• Mapeamento prévio das áreas de risco.

 

(UERJ)

  

 

No pouco que resta de Floresta Amazônica no Maranhão, vive o povo Awá, conhecido como “o mais ameaçado do planeta”. São pouco mais de 400 pessoas, cercadas de municípios que dependem da extração da madeira. Os Awá falam guajá, do tronco Tupi. Só alguns sabem um pouco de português. Eles são um dos últimos povos apenas caçadores e coletores. Vivem da floresta e pela floresta.

A terra dos Awá-Guajá já foi demarcada, homologada e registrada com 116.582 hectares. Ela está dentro da Reserva Biológica do Gurupi, que foi criada pelo presidente Jânio Quadros em 1961 e tem o mais alto nível de proteção ambiental. Mesmo assim, sofre a ação de grileiros e madeireiros derrubando a floresta e encurralando os índios.

MIRIAM LEITÃO. Adaptado de O Globo, 04/08/2013.

 

Com base no conjunto das informações, apresente duas justificativas para a criação de unidades de conservação ambiental e duas justificativas para a demarcação de reservas indígenas.

 

Resposta:

 

Duas justificativas para a criação de unidades de conservação ambiental:

 

• preservação de mananciais

• manutenção da biodiversidade

• manutenção dos ciclos naturais do clima

• aproveitamento de substâncias e componentes naturais

• geração de fluxos turísticos para fins de emprego e renda

 

Duas justificativas para a demarcação de reservas indígenas:

• preservação de saberes locais

• manutenção da etnodiversidade

• preservação da diversidade cultural do Brasil

• conservação do modo de vida das nações indígenas

 

(UERJ) Volks na Amazônia

 

Em 1973, Wolfgang Sauer foi chamado para conversar com os executivos alemães da Volkswagen na sede alemã da empresa. Voltou como o chefe da maior fábrica de automóveis em funcionamento do hemisfério sul, instalada em São Paulo. No mesmo ano, quando foi a Brasília conversar com o ministro do interior, Rangel Reis, este lhe disse que o governo federal queria mudar a diretriz da ocupação da Amazônia. Desde o início da construção da Transamazônica, três anos antes, a ênfase era na colonização. Essa diretriz, de objetivos sociais, não atendia mais à prioridade definida pelo terceiro governo militar desde o golpe de Estado de 1964: tornar a Amazônia uma fonte de divisas para o país.

Adaptado de br.noticias.yahoo, 26/02/2013.

 

O texto da reportagem faz referência a duas fases distintas da política territorial na Amazônia durante o regime militar.

Dois exemplos dessa política de ocupação, para o período 1964/1973 e para o período 1973/1985, respectivamente, foram as implantações de:

a) polos de turismo e lazer – extensas redes ferroviárias inter-regionais   

b) centros comerciais fronteiriços – imensas áreas de monocultura de soja   

c) distritos industriais exportadores – numerosas áreas de produção de borracha   

d) assentamentos de agricultura familiar – grandes projetos de grupos empresariais   

 

VESTIBULAR 2013

 

(UERJ)

 

 

O romance Iracema, de José de Alencar, publicado em 1865, influenciou artistas, como José Maria de Medeiros, que nele encontraram inspiração para representar imagens do Brasil e do povo brasileiro no período imperial (1822-1889).

Na construção da identidade nacional durante o Império do Brasil, identifica-se a valorização dos seguintes aspectos:

a) clima ameno / índole guerreira dos ameríndios   

b) grandeza territorial / integração racial das etnias   

c) extensão litorânea / sincretismo religioso do povo   

d) natureza tropical / herança cultural dos grupos nativos   

 

(UEAP) As figuras abaixo representam diferentes formas de regionalizar o espaço geográfico brasileiro.

 

As figuras I, II e III correspondem, respectivamente,

a) à divisão oficial segundo o IBGE, à divisão oficial de planejamento e aos domínios morfoclimáticos.

b) à divisão oficial de planejamento, à divisão oficial segundo o IBGE e à regionalização

geoeconômica.

c) aos domínios morfoclimáticos, à divisão estadual e à divisão oficial segundo o IBGE.

d) à regionalização geoeconômica, à divisão oficial segundo o IBGE e aos domínios morfoclimáticos.

e) à divisão oficial segundo o IBGE, à divisão estadual e à regionalização geoeconômica.

 

(UERJ)

 

É através da paisagem que os geógrafos têm, geralmente, abordado os problemas culturais: esses pesquisadores são sensíveis à diversidade das formas construídas, aos sistemas agrários, às arquiteturas e, em outros domínios, aos artefatos e aos costumes.

 

Adaptado de CLAVAL, Paul. A geografia cultural. Florianópolis: Editora da UFSC, 1999.

 

 

Nas imagens acima, as paisagens e os tipos físicos estão associados a dois espaços brasileiros distintos.

Identifique o bioma representado, respectivamente, no quadro 1 e no quadro 2. Indique, também, uma característica cultural própria de cada um deles.

 

Resposta:


Quadro 1: pampa

Quadro 2: caatinga

 

Características do pampa:

• danças típicas (chula, fandango)

• culinária típica (churrasco, chimarrão)

• músicas (xote gaúcho, polca, rancheira)

• vestuário associado à figura do vaqueiro (botas, bombacha, lenço, chapéu)

 

Características da caatinga:

• músicas típicas (xaxado, forró)

• artesanato típico feito de bonecos de barro

• celebração das festas de São João e Santo Antônio

• vestuário associado à figura do vaqueiro (roupas de couro, chapéu, alparcatas)

 

As imagens do quadro 1 identificam o pampa, bioma localizado nas planícies gaúchas que em função de suas condições naturais propiciou o desenvolvimento de atividades agropecuárias, influenciando os traços culturais da região, com destaque para a figura do vaqueiro trajado com bombacha e chapéu, os hábitos alimentares, como o churrasco e o chimarrão, e as danças típicas, como o fandango e a chula ao som do xote, da polca e da rancheira.

O quadro 2 identifica a caatinga do nordeste brasileiro, estando o vaqueiro trajado com roupas de couro para sua proteção dos espinhos, típicos de formações xerófitas. É caracterizado por sua riqueza cultural com manifestações folclóricas e populares, como as festas de santos católicos, músicas, como forró e xote, e artesanato de barro que retrata os personagens da região.  

 

(UNICENTRO) Sobre as formas de degradação das paisagens brasileiras associadas à ação humana, assinale a alternativa correta.

 

a) Deposição de sedimentos nos extensos geossinclinais à margem da plataforma continental do litoral brasileiro, devida à intensificação dos processos erosivos.

b) Crescente salinização das águas das lagoas do Pantanal Mato-grossense causada pelo emprego intensivo de biocidas e pela redução das taxas de evaporação na região pantaneira.

c) Desaparecimento de nascentes alimentadoras da hidrografia devido ao aumento da taxa de infiltração da água nos solos, após o desmatamento, e o consequente acúmulo de água no lençol freático profundo.

d) Crescente desestabilização do material que reveste as vertentes nas áreas de maior declividade das encostas da Serra do Mar, em função da urbanização e de outras formas de ocupação, como é o caso da região serrana do Rio de Janeiro, em Nova Friburgo e localidades adjacentes.

e) Ampliação das áreas de várzeas amazônicas devido ao aumento do débito dos rios, decorrente do efeito estufa e da intensificação das chuvas, principalmente na Amazônia Ocidental.

 

(UNIOESTE) O mapa abaixo apresenta a classificação dos biomas brasileiros segundo o IBGE (2004). Considerando o mapa dos biomas, a diversidade de vegetação no país e o processo de ocupação dos biomas brasileiros, analise as afirmativas abaixo.

Fonte: IBGE, 2004.

 

I. A maior parte do estado do Paraná encontra-se no bioma da Mata Atlântica, apesar de possuir algumas áreas de campos. Os tipos de florestas encontrados no Paraná são a ombrófila densa, ombrófila mista e estacional semi-decidual.

II. Os mangues, restingas e dunas são formações litorâneas importantes, pois apresentam uma fragilidade ambiental. Eles não foram destacados no mapa, porém estão localizados no litoral brasileiro. Nesses ecossistemas predominam as chamadas formações pioneiras.

III. O cerrado predomina no Centro-Oeste do Brasil, região marcada pela pecuária bovina, onde a agricultura é uma atividade secundária e a estrutura fundiária é caracterizada por pequenas propriedades rurais.

IV. A caatinga é o principal bioma da região Nordeste, que, apesar da existência do Rio São Francisco em seu território, apresenta os maiores períodos de seca do Brasil.

V. Por estar em uma região onde as chuvas são bem distribuídas, os pampas gaúchos não apresentam problemas relacionados a processos de erosão e arenização dos solos.

 

Assinale a alternativa correta.

a) Todas as alternativas estão incorretas.

b) Apenas as alternativas I e V estão incorretas.

c) Apenas as alternativas III e V estão incorretas.

d) Apenas as alternativas I, III e V estão incorretas.

e) Apenas as alternativas I, II e III estão incorretas.

 

(UNIOESTE) Vivenciamos atualmente um polêmico debate ligado às mudanças no Código Florestal brasileiro. Sobre esse assunto, analise as afirmações abaixo.

 

I. Pelo fato de não ter sido cumprido integralmente e, em virtude de pressões do setor ruralista, o Código Florestal voltou a fazer parte da pauta de deliberações da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

II. O Código Florestal define as dimensões das Áreas de Preservação Permanentes e das Reservas Legais em cada estabelecimento rural. As exigências na dimensão das Reservas Legais na Amazônia são as mesmas dos demais biomas brasileiros.

III. As Áreas de Preservação Permanentes correspondem às margens de rios, entorno de nascentes, áreas de encostas e topos de morros. Já as Reservas Legais correspondem a um percentual do tamanho de cada estabelecimento rural, que deve ser preservado, recuperado ou manejado de forma sustentável.

IV. Após passar pelo Senado Federal, a proposta do novo Código Florestal foi encaminhada de volta para a Câmara dos Deputados, porém não houve alterações significativas. Assim, o texto que chegou à Presidência da República foi fruto de um rápido acordo entre o Senado Federal e a Câmara dos Deputados, não havendo vetos por parte da Presidência da República.

V. A principal polêmica sobre o Código Florestal esteve relacionada às posições divergentes entre ruralistas e ambientalistas. Enquanto os ruralistas buscaram reduzir as exigências da legislação em relação à preservação e recomposição florestal, os ambientalistas se posicionaram totalmente contra as mudanças, ao entenderem que o atual Código Florestal não deveria ser modificado sem um amplo debate no país, envolvendo a sociedade civil.

 

Assinale a alternativa correta.

 

a) Nenhuma alternativa está incorreta.

b) Apenas a alternativa II está incorreta.

c) Todas as alternativas estão incorretas.

d) Apenas a alternativa IV está incorreta.

e) Apenas as alternativas II e IV estão incorretas.

 

VESTIBULAR 2012

 

(UDESC) Observe o mapa abaixo, sobre os domínios morfoclimáticos:

 

Indique o número correspondente ao domínio morfoclimático:

 

(        ) domínio da caatinga

(        ) domínio do cerrado

(        ) domínio das pradarias

(        ) domínio amazônico

(        ) domínio dos mares e morros

(        ) domínio das araucárias

(        ) faixas de transição

 

Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.

 

a) 2–6–1–4–5–7–3

b) 2–4–6–1–3–7–5

c) 4–2–1–7–3–5–6

d) 4–2–6–1–3–5–7

e) 6–1–3–5–4–2–7

 

(UCPEL) Observe a figura a seguir sobre desmatamento.

 

 

Com relação ao desmatamento, analise as afirmativas abaixo.

 

I. O crescente ritmo de desmatamento deve-se à produção agrícola e pastoril, com a abertura de novas áreas de lavoura e pastagens, ao crescimento urbano, à mineração e ao extrativismo animal, vegetal e mineral. Implementar políticas de preservação e conservação, através de um desenvolvimento sustentável das florestas, causaria uma estagnação, sendo totalmente prejudicial ao progresso nesses setores.

II. O desmatamento é um processo que ocorre no mundo todo, resultado do crescimento das atividades produtivas e econômicas e, principalmente, pelo aumento da densidade demográfica em escala mundial, colocando em risco as regiões compostas por florestas.

III. As consequências da retirada da cobertura vegetal original são, principalmente, perdas de biodiversidade, degradação do solo, aumento da incidência do processo de desertificação, erosões, mudanças de clima e da hidrografia.

 

Assinale a opção correta.

 

a) Apenas está correta a afirmativa I.

b) As afirmativas I e II estão corretas.

c) As afirmativas I e III estão corretas.

d) Apenas está correta a afirmativa III.

e) As afirmativas II e III estão corretas.

 

(UNIFENAS) “Analise o mapa a seguir:

 

 

Considerando o trajeto A-B no mapa, um turista que se deslocou de Manaus (AM) até Recife (PE) terá presenciado ao longo de sua viagem vários aspectos singulares que envolvem as inter-relações dos domínios morfoclimáticos brasileiros. A seguir, foram apontados determinados aspectos naturais que abrangem alguns domínios morfoclimáticos brasileiros presenciados pelo turista ao longo do trajeto A-B.

 

I) Domínio Amazônico, com clima equatorial, floresta equatorial e terras baixas com grande sedimentação.

II) Domínio das Caatingas, com presença de formações cristalinas, de áreas depressivas intermontanas e domínio de clima semiárido.

III) Domínio dos Cerrados, presença de grandes chapadões, solos ácidos e predomínio de clima subtropical.

IV) Domínio das Pradarias, com clima tropical, depressões interplanálticas, denominadas      coxilhas subtropicais e vegetação perenifólia.

 

Está correto apenas o indicado na alternativa

 

a) I e II.

b) I, II e III.

c) I,II,III e IV.

d) I e IV.

e) III e IV.

 

 

(UEMG) Analise as informações do texto e das imagens a seguir:

 

A Assembléia Geral das Nações Unidas determinou que o ano de 2011 fosse o Ano Internacional das Florestas, tendo como principal objetivo esclarecer para todos a importância das florestas e de seu manejo sustentável na redução da pobreza. E o Brasil, nesse mesmo período, resolveu revisar o seu Código Florestal, um documento que tem por objetivo regularizar o uso de diferentes formas de vegetação. (Texto adaptado)

 

Imagens retiradas da Folha de São Paulo – 17/01/2011 - HTTP/ centrodeestudosambientais.wordpress.com

 

Observe que, na ilustração, algumas modificações do Código Florestal atual poderão trazer problemas mais sérios.

 

Considerando as características naturais do Brasil e a partir da análise da ilustração acima, é CORRETO afirmar que

a) o novo Código Florestal tem como objetivo fundamental compatibilizar a proteção do meio ambiente com a proteção da agricultura.

b) o projeto do novo Código Florestal amplia a chance de ocupação de áreas de risco, uma das razões frequentes dos desastres provocados pelas chuvas no Centro-Oeste brasileiro.

c) o projeto aumenta a faixa de preservação nas margens de rios, criando brecha para o uso de áreas, como o alagado Jardim Pantanal, zona leste paulistana.

d) o texto, em tramitação no Congresso, não considera topos de morro como áreas de preservação permanente, e libera a construção de casas em encostas e áreas alagáveis de redes fluviais.

 

(UFPA) Observe o mapa abaixo.

 

 

Fonte: THÉRY, Hervé, Atlas do Brasil Disparidades e Dinâmicas do Território. 2.ed.1.reimpressão-São Paulo, Ed da Universidade de São Paulo, 2009. p. 280.

 

 

Os corredores ecológicos visualizados no mapa são áreas de grande expressão territorial comparáveis, em alguns casos, à superfície de países europeus. Os corredores ecológicos da região amazônica podem ser associados a/à(s)

a) investimentos em redes de trafegabilidade de pessoas e produtos em áreas da floresta ombrófila densa e do cerrado, na fronteira com o estado do Mato Grosso.

b) integração ecológica e econômica entre os estados da região Norte, podendo esta integração envolver outros países como Colômbia e Bolívia.

c) áreas protegidas existentes, incluindo unidades de conservação de proteção integral e de uso sustentável, reservas particulares e terras indígenas.

d) delimitação de bacias hidrográficas no Domínio Amazônico, com base no Zoneamento Ecológico e Econômico.

e) política de conservação do meio ambiente de forma sustentável, que promove a implantação de projetos de mineração, exploração de madeira e preservação dos remanescentes florestais.

 

(MACK) Observe a ilustração

 

Com base na observação da figura e no processo de ocupação e de uso do solo da Região Metropolitana de São Paulo, considere I, II, III e IV abaixo.

 

I. A construção de vias de grande fluxo, em fundo de vale, foi uma decisão acertada do ponto de vista socioambiental, pois viabilizou a circulação em terrenos aplanados, com reduzidos impactos na cidade.

II. A ocupação da várzea do rio Tietê foi acompanhada pela especulação imobiliária, que avançou sobre áreas naturais de transbordamento do rio. Isso agravou o problema das enchentes, por ocasião das chuvas de verão.

III. A construção de avenidas marginais ao longo da várzea do rio Tietê foi feita com grande preocupação socioambiental. Contudo, a falta de cuidados da população, que insiste em depositar lixo nas vias públicas, constitui a causa maior dos problemas com enchentes da cidade de São Paulo.

IV. Somam-se, à ocupação inadequada da várzea do rio Tietê, problemas como o assoreamento, a impermeabilização dos solos e a remoção da vegetação na cidade. Esses fatores, combinados, reduzem a capacidade de absorção das águas pluviais, aumentam a velocidade de escoamento e comprometem a capacidade de vazão do rio, o que favorece enchentes na cidade.

 

Estão corretas, apenas,

a) I e II.

b) II e III.

c) I e III.

d) III e IV.

e) II e IV.

 

(PUCRJ)

Fonte: http://jornaldecaruaru.wordpress.com.

Algumas prefeituras brasileiras, para melhorarem o bem estar nas cidades sob sua gestão, desenvolvem campanhas de racionalização dos meios de circulação usados, cotidianamente, pelos cidadãos. Observando-se a propaganda selecionada, é correto afirmar, sobre o tema, que:

 

a) a responsabilidade para o sucesso das medidas de controle de circulação de automóveis nas cidades é de todos e não só do Estado.

b) a contenção dos problemas associados à grande concentração de automotores nas cidades parte, somente, das atitudes individuais.

c) a sustentabilidade das ações públicas só ocorrerá se os habitantes das cidades forem sobretaxados e punidos pelos governos municipais.

d) a medida de limitação de automóveis nas cidades brasileiras só será eficiente se os cidadãos acatarem, sem questionar, as medidas tomadas pelo poder público.

e) a qualidade de vida urbana é de responsabilidade dos municípios, que precisam reduzir a circulação diária, nas cidades, de automóveis, motocicletas e bicicletas.

 

(UECE) A distribuição dos biomas brasileiros – Amazônia, caatinga, cerrado, mata atlântica, pampa e Pantanal – tem uma configuração semelhante ou muito próxima às áreas correspondentes a

a) domínios morfoestruturais.
b) bacias hidrográficas.
c) domínios morfoclimáticos.
d) bacias sedimentares.

 

(UECE) Trata-se de um domínio natural com características tropicais úmidas, com processos de intemperismo químico em rochas cristalinas, com relevos fortemente dissecados em morros, colinas e cristas, e com a ocorrência de processos erosivos acelerados motivados por desmatamentos desordenados.

 

A área com tais características corresponde ao domínio de

a) terras baixas florestadas equatoriais.
b) áreas mamelonares tropicais-atlânticas florestadas.
c) chapadões tropicais interiores com cerrados e florestas galerias.
d) planaltos subtropicais com araucárias.

 

(UEL) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos e fitogeográficos, sendo possível delimitar seis regiões, de acordo com Aziz Ab´Saber (1970), além das faixas de transição.
O mapa a seguir apresenta a localização de tais domínios.

 


AB'SÁBER, Aziz Nacib. Os Domínios de Natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p.32-33.)

 

Com base no mapa e nos conhecimentos sobre domínios morfoclimáticos brasileiros, associe o domínio, na coluna da esquerda, com a sua característica, na coluna da direita.

 

(I) Mar de Morros
(II) Caatinga
(III) Araucária
(IV) Pradaria
(V) Cerrado
(VI) Amazônico 

 

 

(I) Mar de Morros
(II) Caatinga
(III) Araucária
(IV) Pradaria
(V) Cerrado
(VI) Amazônico 

(A) Caracteriza-se por solos férteis, rios de planalto com alto poder para
geração de energia hidrelétrica. A vegetação característica é o pinheiro,
que desapareceu quase totalmente devido ao extrativismo na
área.
(B) É o segundo maior domínio em extensão territorial. Sua vegetação
predominante caracteriza-se por árvores retorcidas e cipós. Possui
também planaltos e chapadas.
(C) Caracteriza-se por dois tipos de estações fluvioclimáticas: a das
cheias dos rios e a da seca; esta última não interrompe o processo
pluviométrico diário, somente em índices diferentes.
(D) Caracterizado por relevo em “meias laranjas”, tem significativas redes
de drenagens, além da boa precipitação.
(E) O clima característico é o semiárido, com solo raso e pedregoso; os
latossolos sofrem o intemperismo físico e os litólicos são pouco erodidos.
(F) A morfologia do relevo é levemente ondulada, com a utilização do
solo arenoso sem controle; percebe-se um sério problema erosivo
que origina as ravinas.

Assinale a alternativa que contém a associação correta.

a) I-A, II-F, III-C, IV-E, V-B, VI-D.
b) I-B, II-F, III-A, IV-E, V-D, VI-C.
c) I-C, II-E, III-A, IV-B, V-F, VI-D.
d) I-D, II-E, III-A, IV-F, V-B, VI-C.
e) I-D, II-F, III-B, IV-E, V-C, VI-A.

 

(UDESC)  Observe o mapa abaixo, sobre os domínios morfoclimáticos:

 

 

Indique o número correspondente ao domínio morfoclimático:

 

(     ) domínio da caatinga

(     ) domínio do cerrado

(     ) domínio das pradarias

(     ) domínio amazônico

(     ) domínio dos mares e morros

(     ) domínio das araucárias

(     ) faixas de transição

 

Assinale a alternativa que contém a sequência correta, de cima para baixo.

a) 2 – 6 – 1 – 4 – 5 – 7 – 3   

b) 2 – 4 – 6 – 1 – 3 – 7 – 5   

c) 4 – 2 – 1 – 7 – 3 – 5 – 6   

d) 4 – 2 – 6 – 1 – 3 – 5 – 7   

e) 6 – 1 – 3 – 5 – 4 – 2 – 7   

 

(UPE) Leia com atenção o texto transcrito a seguir referente a uma das sub-regiões do Nordeste brasileiro.

 

Esta sub-região do Nordeste brasileiro é de povoamento antigo. Compreende parte do Maranhão- bacias do Itapicuru e do Parnaíba-, quase todo o Piauí e o noroeste do Ceará, e é coberta por dois tipos de associações vegetais: a floresta dos cocais e o cerrado. Os cocais dominam as várzeas e os vales fluviais , assim como os baixos interflúvios dos cursos inferiores dos principais rios da sub-região, como o Itapicuru, o Parnaíba e o Acaraú. Esses cocais, nas áreas de clima menos úmido, são formados sobretudo por babaçuais, enquanto, nas áreas orientais, à proporção que o clima se torna mais seco, dominam os carnaubais, que se estendem até os vales dos sertões semiáridos do Jaguaribe, do Açu e do Apodi-Mossoró. Ao lado dessas palmeiras, com menos expressão numérica e econômica, encontram-se ainda a juçara ou açaí, a bacaba, o tucum, o buriti etc. (...) Essa sub-região destacou-se ainda no passado, ora por sua produção de arroz, ora de açúcar, ora de algodão, atividades agrícolas que, em certos períodos, contribuíram largamente para o povoamento dela e tiveram considerável influência na composição étnica da população.

 

(Adaptado de: ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia Econômica do Nordeste: o espaço e a economia nordestina. São Paulo: Atlas, 1987.)

 

Pelos aspectos geográficos mencionados no texto, é CORRETO afirmar que o autor está se referindo à seguinte sub-região:

 

a) Sertões Meridionais.

b) Agreste Maranhense.

c) Meio Norte.

d) Sertões Semiáridos do Seridó.

e) Zona da Mata Norte-Ocidental.

 

(IFPE) O texto a seguir descreve um domínio morfoclimático presente no território pernambucano:

 

“Este domínio surge na parte oriental de Pernambuco, coincidindo com a Zona da Mata. É uma área em que se verifica uma profunda decomposição das rochas. Esse fato deriva das condições climáticas dominantes, que são muito úmidas. A elevada umidade do ar acarreta uma profunda alteração química dos corpos rochosos, constatada nos cortes de estradas observados ao longo das principais rodovias da área. Os cortes mostram rochas muito alteradas, com uma coloração em geral avermelhada. É nesse domínio em que há a máxima ocorrência de colinas de perfil convexo.”

 

(JATOBÁ, Lucivânio. As condições naturais do território pernambucano. In: ANDRADE, M. C. de. Geografia de Pernambuco: ambiente e sociedade. João Pessoa: Editora Grafset, 2009.)

 

O texto se refere ao:

 

a) Domínio das Savanas

b) Domínio das Caatingas

c) Domínio das Terras Planálticas Cobertas por Cerrado

d) Domínio do Mar de Morros

e) Domínio dos Chapadões do Nordeste Oriental

 

(IFBA) Visto do espaço, o Brasil se destaca pela sua extensão territorial.Com uma área total de 8.514.876 km2, o país está localizado na porção centro-oriental do continente sul-americano (entre os paralelos de 5o16' de latitude norte e 33o44' de latitude sul, e entre os meridianos de 34o47' e 73o59' de longitude oeste), com seu litoral banhado pelo Oceano Atlântico.

 

Disponível em:< http://www.cdbrasil.cnpm.embrapa.br/ico/ landsat.jpg>. Acesso em: 15.08.11

 

No que diz respeito às características físicas do território brasileiro, indique a alternativa verdadeira:

 

a) Na plataforma continental do Oceano Atlântico Sul predomina o relevo plano de natureza essencialmente sedimentar, com margens tectonicamente passivas.

b) Os dobramentos      modernos  que   definem geologicamente o Domínio dos Mares de Morro se formaram na era Cenozoica a partir da tectônica global.

c) A baixa umidade relativa do ar do clima equatorial é decorrente da intensa radiação solar agregada à convergência dos ventos alísios no Equador.

d) O predomínio dos rios de planície na hidrografia brasileira favorece o assoreamento dos leitos fluviais e a erosão das matas ciliares.

e) A pequena biodiversidade do Sertão Nordestino é definida pela ausência de espécies endêmicas no ecossistema da Caatinga.

 

(UNICAMP) A Amazônia é uma das mais antigas periferias do sistema mundial capitalista. Seu povoamento e desenvolvimento se deram de acordo com o paradigma da economia de fronteira, significando, com isso, que o crescimento econômico é visto como linear e infinito, sendo imperativo sustar esse padrão baseado no uso predatório das suas riquezas naturais e do saber de suas populações tradicionais.

 

(Adaptado de Bertha K. Becker, “Geopolítica da Amazônia”. Estudos Avançados,19, nº 53, 2005, p. 72)

 

a) O que se pode entender por economia de fronteira?

 

b) Aponte dois exemplos de populações tradicionais na Amazônia.

 

Respostas:

 

a) Economia de fronteira é aquela que apresenta um crescimento econômico visto como linear e infinito, baseado na contínua incorporação de terra. É caracterizada pelo uso e exploração predatória de recursos naturais, culturais e de saberes das populações tradicionais.

 

b) São populações tradicionais da Amazônia os povos indígenas, os extrativistas (seringueiros, castanheiros), os ribeirinhos, os camponeses e os quilombolas.

 

(UNICAMP) Para o Ministério do Meio Ambiente,  o processo de desertificação gera uma perda de cinco bilhões de dólares por ano ao Brasil (cerca de 1% do Produto Interno Bruto) e já atinge gravemente 66 milhões de hectares no semiárido brasileiro e 15 milhões de pessoas em áreas do Bioma Cerrado e da Caatinga. No Brasil, 62% das áreas suscetíveis à desertificação estão em zonas originalmente ocupadas por  caatinga, sendo que muitas já estão bastante alteradas.

 

(Fonte: Ministério do Meio Ambiente (2011). http://www.mma.gov.br/sitio/index.php. Acessado em 15/08/2011.)

 

Considerando o texto acima, responda:

 

a) O que é desertificação e quais são as suas causas?

 

b) Quais os impactos sociais associados à desertificação?

 

Respostas:

 

a) Desertificação é o processo de perda da capacidade produtiva do solo, resultando em redução da fertilidade e da cobertura vegetal. As causas estão associadas ao uso e manejo inadequado do solo e ao desmatamento.

 

b) Redução da produção agropecuária; aumento da pobreza na área rural; êxodo rural; perda de solo fértil.

 

(FUVEST)

 

Há mais de 40 anos, a Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, conhecida como Código Florestal, estabeleceu no seu Artigo 1o: “As florestas existentes no território nacional e as demais formas de vegetação, reconhecidas de utilidade às terras que revestem, são bens de interesse comum a todos os habitantes do País, exercendo-se os direitos de propriedade, com as limitações que a legislação em geral e especialmente esta Lei estabelecem”.

Em pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, em junho de 2011, para saber a opinião do cidadão brasileiro sobre a proposta de mudanças no Código Florestal, 85% dos entrevistados optaram por “priorizar a proteção das florestas e dos rios, mesmo que, em alguns casos, isto prejudique a produção agropecuária”; para 10%, deve-se “priorizar a produção agropecuária mesmo que, em alguns casos, isto prejudique a proteção das florestas e dos rios”; 5% não sabem.

 

a) O Artigo 1o da Lei no 4.771 indica a existência de um conflito, de natureza social, que justifica a necessidade da norma legal. Que conflito é esse? Explique.

b) Analise os resultados da pesquisa feita pelo Instituto Datafolha, acima expostos, relacionando-os com o Artigo 1o da Lei no 4.771.

 

Respostas:

 

a) O artigo em questão trata das florestas como patrimônio de toda a população nacional. O direito de propriedade, nesse sentido, é limitado, pois deve ser exercito observando-se o manejo adequado e preservação da vegetação das terras que revestem. Nesse sentido, o uso da propriedade está submetido

a um interesse maior que preservação do meio ambiente.

 

b) A pesquisa revela que, se seguida à risca a legislação expressa no Artigo 1, a preservação dos recursos naturais deveria ser prioritária em relação à exploração agrícola, uma vez que é a vontade expressa pela maioria dos brasileiros entrevistados na pesquisa. Segundo a maioria dos entrevistados os interesses econômicos devem estar subordinados a viabilidade de um ambiente saudável, em acordo com o conceito de desenvolvimento sustentável.

 

(FATEC) Analise o mapa para responder à questão

 

(http://www.altamontanha.com/news/50/atividades/Rte/my_documents/ my_pictures/741_6112010_fig.2.jpg Acesso em 06.09.2011. Adaptado)

 

Assinale a alternativa que identifica corretamente características de um dos domínios morfoclimáticos numerados no mapa.

 

a) 1 – predomínio de um tipo de clima com estações definidas: uma seca e outra úmida; cerca de 50% da vegetação original já desapareceu.

b) 2 – ocorrência de extensa área com solos rasos, mas férteis, o que explica a grande variedade de vegetação que recobre as planícies fluviais.

(c) 3 – recoberto por densa vegetação florestal devido ao clima sempre úmido; a ocupação recente ainda provoca pouco impacto ambiental.

d) 4 – destaque para morros com aspecto mamelonar; a ocupação humana antiga e predatória destruiu grande parte da mata original.

e) 5 – concentra nascentes de vários rios do Centro-Oeste; a vegetação arbustiva-herbácea foi fator favorável à expansão da criação de ovinos.

 

(UECE) Tratando-se das condições geoambientais e da ocupação do semiárido brasileiro, pode-se afirmar que a desertificação é um processo que conduz à degradação irreversível dos solos e dos demais recursos naturais renováveis.


Sobre o processo em pauta, assinale a opção que contém a afirmação falsa.

a) A desertificação tem afetado, principalmente, a área extensivamente recoberta por caatinga em solos rasos de tipos variados.

b) Com a expansão do processo de desertificação, tem ocorrido a desorganização dos sistemas produtivos como a agropecuária e o extrativismo vegetal.

c) A desertificação tem afetado, indistintamente, todos os grandes domínios naturais do Nordeste brasileiro.

d) A desertificação é própria dos climas secos, semiáridos e subúmidos secos.

 

VESTIBULAR 2011

 

(UNESP) O Brasil tem encontro marcado com a tragédia todos os anos na estação chuvosa e não há força terrestre que faça com que as autoridades e as pessoas se preparem para isso. Neste ano, o encontro foi na antes paradisíaca região serrana do Rio de Janeiro. Todos os anos, a natureza demonstra com fúria que as conquistas da civilização em muitas áreas são plantinhas frágeis que podem ser arrancadas pelas enchentes e pelos deslizamentos das encostas.

 

(Veja, 19.01.2011. Adaptado.)

 

O texto relaciona-se ao problema da destruição da paisagem no Sudeste, frequente em regiões com domínio de

a) mar de morros.

b) cuestas carbonáticas.

c) inselbergs semiáridos.

d) chapadas cristalinas.

e) coxilhas subtropicais.

 

---------

(ESPM) Leia o texto:

 

A Comissão Especial para a Reforma do Código Florestal Brasileiro aprovou nesta terça-feira (6), por 13 votos a 5, o texto-base do relatório (...) que propõe uma nova legislação ambiental. Neste momento, estão sendo votados os nove destaques propostos para alteração do texto final.

 

(www.abril.com.br, acesso: 22/08/10.)

 

 

No debate político fomentado pela alteração do Código, está correto afirmar que:

 

a) os ruralistas consideram a alteração um retrocesso, pois as mudanças atingirão em cheio o agronegócio, setor responsável pelo aumento das exportações brasileiras.

b) os ambientalistas são contrários à alteração, pois mudanças, como a redução da preservação nas margens dos rios e nos topos de morros, comprometem o que estava garantido pela legislação anterior.

c) o tema é um exemplo da polarização entre esquerda e direita no Brasil, pois ao lado dos ambientalistas está o relator do projeto, um deputado do PC do B, fato questionado pelos ruralistas.

d) a nova legislação é centralizadora, pois diminui a autonomia dos estados para demarcar reservas e transfere essa responsabilidade à União.

e) há certo consenso de que o novo Código aumentará a área preservada, mas setores da sociedade, como os pecuaristas, mobilizam-se para barrar a votação final.

 

(UERJ)

 

Adaptado de Veja e leia, 16/12/1970

 

Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil

 

O Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil é uma iniciativa do governo através do Ministério do Meio Ambiente, em parceria com a comunidade internacional. Tem como finalidade o desenvolvimento de estratégias inovadoras para promover, simultaneamente, a proteção e o uso da Floresta Amazônica e da Mata Atlântica, associadas a melhorias na qualidade de vida das populações locais. Um dos objetivos do programa é demonstrar a viabilidade da harmonização dos objetivos ambientais e econômicos nas florestas tropicais.

 

Adaptado de http://www.mma.gov.br

 

A comparação entre os textos acima indica uma mudança na gestão do espaço amazônico.

 

A concepção que movia o governo brasileiro em relação à Amazônia na década de 1970 e a que serve de base para as ações propostas pelo atual Ministério do Meio Ambiente estão respectivamente apresentadas em:

 

a) território estratégico – preservação dos ambientes rurais

b) região problema – desenvolvimento ecológico equilibrado

c) espaço da vida selvagem – proteção integral do ambiente

d) fronteira de recursos – crescimento econômico sustentável

 

(PUCSP) Observe e leia com atenção:

 

cop15_logo_b_m11

“O Brasil vai apresentar uma meta ousada de redução de emissões de gases de efeito estufa na reunião da COP-15, em dezembro, com corte de 80% do desmatamento na Amazônia (redução de cerca de 580 milhões de toneladas de CO²) e propostas de redução de emissões nas áreas de energia, siderurgia e agropecuária.”

 

(Ministério do Meio ambiente. Governo fecha proposta sobre clima no dia 14 de novembro. In: http://www.mma.gov.br, acesso em 05/11/2009)

 

Considerando-se essa notícia pode-se afirmar que

 

a) o Brasil já colocou em andamento uma ação de redução do desmatamento, com leis e fiscalização rigorosas, que restringem o plantio da soja e da cana na Amazônia e em outros biomas.

b) a redução nas emissões na área de energia pode-se dar com a ampliação do uso do etanol, assim como com a ampliação do investimento em hidroeletricidade.

c) a postura do Brasil representa muito pouco em 2 termos de redução da emissão de CO , pois o que prevalece no país é a postura de sempre, favorável a um desenvolvimento a qualquer custo.

d) o Brasil está sofrendo pressão das potências 2 para reduzir a emissão de CO , já que elas estão fazendo esforços significativos nessa direção, o que vai diminuir o poder de concorrência delas no mercado internacional.

e) na área de siderurgia, a diminuição da emissão está associada ao aumento do uso de carvão mineral na produção de aço para com isso diminuir o uso de carvão vegetal, fato gerador de desmatamento acelerado.

 

(UFAL) Examine com atenção a fotografia e o mapa apresentados a seguir.

 

 

               

 

Levando-se em consideração os aspectos paisagísticos observados na foto, é correto afirmar que essa paisagem natural é a que se destaca, em linhas gerais, no domínio natural do Brasil indicado pelo número:

 

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

 

(MACK)

 

 

 

Observando o mapa, é correto afirmar que o fenômeno apresentado pela foto corresponde

 

a) ao processo de desmatamento para a expansão da agropecuária, sobretudo soja e criação de bovinos, que ocorre na Amazônia Legal, identificado no mapa pelo número 1.

b) à uma das consequências que se pode notar com o desmatamento da Floresta de Araúcárias para a produção de papel, identificado no mapa pelo número 5.

c) aos deslisamentos ou escorregamentos de solos, decorrentes de formas inadequadas de ocupação, frequentemente observados na região identificada pelo número 4.

d) ao processo de devastação dos Cerrados em função da expansão de cultivos mecanizados de grãos para exportação, verificados na região identificada pelo número 3.

e) ao processo de “arenização”, decorrente do uso inadequado dos solos para pastagens, típicos das áreas identificadas pelos números 2 e 6.

 

(FATEC) Analise o mapa a seguir.

 

 

A zona sombreada no mapa representa a área típica de ocorrência de uma vegetação do país. Essa vegetação corresponde

 

a) aos Cerrados.

b) à Mata Atlântica.

c) à Floresta Temperada.

d) à Mata das Araucárias.

e) às Pradarias ou Pampas.

 

(UNIOESTE) Conforme levantamento divulgado pelo INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, entre agosto de 2008 e julho de 2009 foram devastados 7.464 km² de vegetação na área correspondente à Amazônia Legal.

 

Fonte: www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=2175; acesso em 23/06/2010.

 

Tomando como referência a informação apresentada, assinale a alternativa INCORRETA.

 

a) A delimitação territorial da Amazônia Legal é utilizada pelo governo brasileiro para integrar as políticas de desenvolvimento na região.

b) Persistindo essa intensidade de desmatamento na Amazônia, nas próximas décadas haverá considerável alteração dos ciclos de absorção e evaporação das águas, mudando o regime das chuvas na região e tornando o clima mais seco.

c) A ocupação e o consequente aumento do desflorestamento na Amazônia se intensificaram a partir da década de 1970, quando os governos militares brasileiros incentivaram a migração e a elaboração de grandes projetos (agropecuários, de exploração mineral, entre outros) com o objetivo de ocupar a fronteira norte do país enquanto doutrina de segurança nacional.

d) O governo brasileiro concebeu, na década de 1990, o SIVAM – Sistema de Vigilância da Amazônia, com o propósito de constituir uma rede de coleta e processamento de informações sobre o uso do solo na Amazônia Legal, constituindo-se em um sistema de fiscalização sobre questões relacionadas ao desflorestamento, ao narcotráfico, às terras indígenas, entre outras possibilidades.

e) Com o objetivo de viabilizar o povoamento no norte do país, o governo militar construiu, na década de 1970, a rodovia Transamazônica. Esta constitui-se no principal eixo rodoviário asfaltado da região em condições de garantir o escoamento da produção agropecuária, apesar de incentivar o  desmatamento no seu entorno.

 

(UECE)

 

                                   Toca Tocantins

 

                                   Tuas águas para o mar

                                   Os meios não são os fins

                                   Por que vão te matar?

                                  

                                   Por que te transformar

                                   Em águas assassinas

                                   E nelas afogar a vida?

                                   Os versos acima apresentados exprimem

 

Toca Tocantins - Composição: Nilson Chaves e Jamil Damous

 

a) a condição de rio de fronteira, por onde pistoleiros de aluguel conseguem escapar após resolverem, à bala, conflitos pela posse da terra no Pará.

b) a devastação da biodiversidade da Amazônia, sem nenhum respeito com as práticas conservacionistas e a riqueza da cultura local.

c) a concentração de indústrias químicas às margens do rio Tocantins, essenciais para a produção de adubos e fertilizantes necessários ao Centro-Oeste.

d) as disputas entre o Estado do Pará e Tocantins pelas riquezas naturais das regiões em suas margens, ricas em ouro e solos agricultáveis.

 

(UFPR) O território brasileiro possui diversos biomas, entre os quais destacam-se a Floresta Amazônica, o Cerrado e a Mata Atlântica. Sobre esses biomas, é correto afirmar:

 

a) O cerrado, que se localiza na região central do Brasil, tem como característica formar-se em solos pobres e arenosos e, em consequência, é pouco ameaçado pela expansão agrícola.

b) A Floresta Amazônica, formação localizada notadamente no norte do Brasil, tende a desaparecer nas próximas décadas, haja vista que o desmatamento e as queimadas têm seus índices elevados ano a ano, evidenciando a ausência de políticas públicas voltadas à conservação daquela floresta.

c) A Mata Atlântica, formação que se estendia desde o litoral nordestino ao Rio Grande Sul, onde se localiza boa parte dos maiores centros brasileiros, foi o bioma mais desmatado do país, motivo pelo qual seus remanescentes foram transformados em unidades de conservação, o que lhe garante a maior extensão em áreas preservadas do Brasil.

d) Uma característica comum entre esses três biomas é que todos apresentam elevada biodiversidade e presença de espécies endêmicas, evidenciando que todos precisam ser igualmente preservados.

e) No Norte do Brasil, a urbanização excessiva das cidades tem como consequência o desmatamento e as queimadas, comprometendo a conservação da floresta, fato que frequentemente ganha grande dimensão na imprensa.

 

(UECE) A derrubada em grande escala da caatinga provoca, entre outros efeitos,

 

a) o aumento da absorção de matérias orgânicas pelo solo.

b) o aumento dos processos de desertificação.

c) o aumento das chuvas durante o ano.

d) o aumento exagerado da evapotranspiração.

 

(UFAL) As restingas são feições de relevo observadas em diversos locais do planeta, independentemente, inclusive, da latitude. No Estado de Alagoas, muitas restingas são observadas. São relevos ditos “azonais”. O que pode ser dito a respeito das restingas?

 

1) As restingas são falhas geológicas que se observam em áreas costeiras que foram preenchidas por sedimentos fluviais; um exemplo típico é a lagoa do Mundaú.

2) As restingas são formações sedimentares arenosas costeiras, de origem recente, na escala geológica do tempo, que às vezes assumem a forma de planícies e barras.

3) As restingas constituem ecossistemas costeiros determinados, sobretudo, pelas características dos solos e pela influência marinha; são ambientes ecologicamente frágeis.

4) A vegetação estabelecida sobre as restingas deve ser preservada, pois se constitui num impedimento para que os ventos remobilizem dunas comumente existentes sobre elas.

5) As restingas são formas de relevo resultantes de dobramentos ocorridos nos terrenos sedimentares em áreas costeiras e que receberam fortes alterações humanas.

 

Estão corretas:

 

a) 1 e 2 apenas

b) 2 e 5 apenas

c) 1, 2 e 3 apenas

d) 2, 3 e 4 apenas

e) 1 , 2, 3, 4 e 5.

 

(UFRN) A biodiversidade do Planeta vem sendo ameaçada por problemas que afetam o funcionamento da Sociedade, da Natureza e da Economia. Nesse contexto, o aproveitamento da Amazônia passou a ser discutido, levando-se em consideração diferentes perspectivas de exploração.

Considerando a perspectiva econômica, por que a exploração sustentável do ecossistema florestal da Amazônia é considerada mais competitiva do que a exploração pela agropecuária?

 

Resposta:

 

Do ponto de vista econômico, a exploração sustentável do ecossistema florestal da Amazônia é mais competitiva do que a agropecuária por conservar a sua biodiversidade. A região possui um valioso estoque genético que interessa tanto aos pesquisadores como às corporações farmacêuticas e alimentares dos países ricos, que enxergam nele a possibilidade de imensos lucros futuros. Isso ocorre porque novos e eficazes componentes para fabricação de remédios e para a produção de sementes alimentares de alto valor proteico podem estar disseminados entre as espécies que lá existem.

Nesse sentido, a exploração desse ecossistema para o desenvolvimento da agropecuária torna- se menos competitiva que o uso sustentável, porque implica desmatamento, que deixa os solos expostos à erosão pluvial, e queimadas para a formação de pastagens, reduzindo a sua biodiversidade e promovendo a extinção de algumas espécies animais e vegetais.

 

(UEPB) Observe o mapa que representa os Domínios Morfoclimáticos Brasileiros

 

 

Analise as afirmações a seguir e identifique a alternativa correta

 

I - O número 1 refere-se à floresta amazônica, área de abrangência de clima equatorial, que conta com um terço do número de espécies do planeta e uma rica biodiversidade.

II - O número 2 refere-se à área de cerrado, onde predomina o clima tropical e apresenta uma vegetação formada por dois estratos: um superior formado por uma vegetação composta de arbustos

e pequenas árvores retorcidas e um segundo por gramíneas.

III - O número 4 refere-se à caatinga, área de predominância de clima semiárido, com temperaturas elevadas, chuvas moderadas e uma vegetação resistente à seca do tipo xerófita.

IV - O número 6 refere-se à mata dos cocais, onde predomina o babaçu e a carnaúba, e se constitui uma mata de transição entre os biomas da caatinga e a floresta amazônica e o cerrado.

 

Estão corretas

 

a) Apenas as proposições I e III

b) Apenas as proposições I, II e III

c) Apenas as proposições I e V

d) Apenas as proposições II e IV

e) Todas as proposições

 

 

(UEPB)

 

Herdeiro da Pampa Pobre (Vaine Darde)

 

Mas que pampa é essa que eu recebo agora

Com a missão de cultivar raízes

Se dessa pampa que me fala a história

Não me deixaram nem sequer matizes?

Passam às mãos da minha geração

Heranças feitas de fortunas rotas

Campos desertos que não geram pão

Onde a ganância anda de rédeas soltas

Se for preciso, eu volto a ser caudilho

Por essa pampa que ficou pra trás

Porque eu quero deixar pro meu filho

A pampa pobre que herdei do pai.

 

A composição que fez sucesso com os Engenheiros do Hawaii adverte para os problemas ambientais. Identifique entre as proposições a alternativa que se relaciona corretamente com a composição apresentada.

 

a) O complexo do pantanal, um verdadeiro santuário ecológico na maior planície alagada do Brasil, hoje se encontra ameaçado pelo avanço da agropecuária, pelo turismo desordenado e a caça e a pesca predatórias.

b) O cerrado do Centro-Oeste, o segundo maior bioma brasileiro, cuja vegetação de savana tem sido destruída com a introdução da monocultura intensiva de grãos,da pecuária extensiva e a mineração que polui seus rios torna esse bioma um dos mais ameaçados do planeta e é classificado como um hotspot por merecer atenção especial

c) A caatinga, o único bioma exclusivamente brasileiro, de solos rasos e chuvas escassas sujeito a processo de desertificação que é agravado com a devastação da vegetação para a produção de carvão e lenha e pelo pisoteio do gado, que foi introduzido em sistema ultraextensivo desde o século XVII.

d) A mata dos pinhais típica dos planaltos ondulados do Sul do Brasil, a mais explorada economicamente do país, contribuiu para a completa alteração de sua paisagem pelo desmatamento intenso para a fabricação de móveis, papel e celulose. O pouco que resta dessa vegetação

encontra-se em áreas de conservação ambiental.

e) As pradarias mistas do sul do Brasil, de terras férteis, clima ameno e pastagens naturais, viabilizaram a ocupação desde o período colonial da pecuária extensiva e a partir do século XIX, com a vinda dos imigrantes, da monocultura de grãos, cuja ocupação acelerada e emprego de técnicas inadequadas têm levado ao processo de desertificação em algumas áreas.

 

(FGVSP) De acordo com dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o desmatamento na

Amazônia tem apresentado tendência de queda desde 2004, atingindo, em 2009, o menor índice dos últimos 20 anos, como mostra o gráfico abaixo.

 

 

Vários fatores podem ajudar a explicar essa queda nesse período, EXCETO:

 

a) Aumento da fiscalização e repressão a madeireiras clandestinas, grileiros e pecuaristas em situação irregular, com auxílio de Sistema Geográfico de Informações.

b) Maior restrição ao crédito e punição a proprietários que infringiram leis ambientais, o que tem sido objeto de polêmica na reforma do Código Florestal brasileiro.

c) Entre 2008 e 2009, a queda pode ser atribuída também à crise financeira internacional que diminuiu as encomendas de exportação de carne e soja.

d) Supervalorização da cana-de-açúcar e dos biocombustíveis que redirecionou as forças produtivas para outras regiões.

e) Divulgação de listas dos maiores devastadores e formas irregulares de produção, de modo a desestimular a compra de soja e carne de áreas recentemente desmatadas e irregulares.

 

(PUCSP) Observe a imagem:

 

 

Este é o logotipo do site do Programa Mata Ciliar do governo do Estado do Paraná. Define-se essa formação vegetal e sua importância no desenvolvimento de políticas ambientais como

 

a) a cobertura vegetal que fica nas áreas elevadas entre dois rios (no divisor de águas) e que deve ser preservada para impedir o desmoronamento das vertentes, o que arrastaria material e assorearia o leito dos rios.

b) a formação vegetal exclusiva das margens das grandes represas artificiais, à semelhança dos cílios em torno dos olhos, e sua função é garantir que as águas das represas sofram índices menores de evaporação.

c) a cobertura vegetal que chega até as margens dos rios em apenas alguns pontos, e que deve ser preservada como meio para impedir que a fauna terrestre tenha livre acesso a toda a zona ribeirinha.

d) a formação nas margens dos rios, lagos, represas e nascentes, e tem como algumas de suas virtudes ambientais a contenção da erosão nas margens dos corpos d'água e a manutenção de uma importante fonte de biodiversidade.

e) a formação vegetal rasteira, como pequenos cílios, que se forma nas margens dos rios em zonas semi-áridas, e que deve ser preservada para garantir ao leito do rio uma estabilidade nas vertentes do seu leito.

 

(PUCSP)

 

Leia com atenção:

 

E a Amazônia?

 

Bertha K. Becker: Porque é uma fronteira: do povoamento no Brasil, da economia-mundo e, sobretudo, porque constitui o novo. A fronteira é um espaço não plenamente estruturado, potencialmente gerador de realidades novas (...).

E nos últimos 50 anos muitas novas realidades têm sido geradas na Amazônia.

 

Trecho de entrevista da geógrafa Bertha K. Becker à Revista Ciência Hoje. Rio de Janeiro: SBPC, outubro de 2010. Vol. 46, p. 64

 

Sobre as novas realidades que foram geradas na Amazônia é correto afirmar que

 

a) houve predomínio de ações preservacionistas (criando parques e estações ecológicas, por exemplo) que protegeram (e protegem) muito bem as formações vegetais da região.

b) os investimentos em produção pecuária foram bem sucedidos, do ponto de vista produtivo e do ambiental, e fizeram da região o maior centro produtor de carne bovina do mundo.

c) as várias ações visando explorar o potencial de recursos naturais da região foram empreendidas, apesar de o potencial mineral imaginado não ter sido confirmado.

d) houve um conjunto de ações visando a povoar grande parte da Amazônia e essa foi uma política de grande êxito no período citado.

e) as ações que a Amazônia sofreu nessas últimas décadas foram diversas e complexas e várias delas geraram fortes conflitos de terra e, também ambientais.

 

(UNICAMP) Segundo a base de dados internacional sobre desastres, da Universidade Católica de Louvain, Bélgica, entre 2000 e 2007, mais de 1,5 milhão de pessoas foram afetadas por algum tipo de desastre natural no Brasil. Os dados também mostram que, no mesmo período, ocorreram no país cerca de 36 grandes episódios de desastres naturais, com prejuízo econômico estimado em mais de US$ 2,5 bilhões.

 

(Adaptado de C.Q.T. Maffra e M. Mazzola, “Vulnerabilidade Ambiental: Desastres Naturais ou Fenômenos Induzidos?”. In: Vulnerabilidade Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007, p. 10.

 

É possível considerar que, no território nacional,

 

a) os desastres naturais estão associados diretamente a episódios de origem tectônica.

b) apenas a ação climática é o fator que justifica a marcante ocorrência dos desastres naturais.

c) a concentração das chuvas e os processos tectônicos associados são responsáveis pelos desastres naturais.

d) os desastres estão associados a fenômenos climáticos potencializados pela ação antrópica.

 

(UNICAMP) O mapa abaixo destaca a área de ocorrência dos Pampas, no Brasil. Além de apresentarem solos susceptíveis à erosão, os Pampas se caracterizam

 

 

a) pela vegetação arbórea, em área de clima temperado, sujeita a processos de voçorocamento decorrente da eliminação da cobertura vegetal.

b) pela vegetação arbórea, em área de clima subtropical, sujeita a processos de arenização decorrente da eliminação da cobertura vegetal.

c) pela vegetação de gramíneas, em área de clima subtropical, sujeita a processos de arenização decorrente da eliminação da cobertura vegetal.

d) pela vegetação de gramíneas, em área de clima temperado, sujeita a processos de voçorocamento decorrente da eliminação da cobertura vegetal.

 

(UFRJ) Cerca de 95% do mercado nacional de gesso é abastecido pelos depósitos de gipsita existentes na Bacia do Araripe, no Sertão Nordestino. No Brasil, o processo de produção de gesso consome grande quantidade de energia proveniente da queima da lenha e do carvão vegetal, extraído do bioma Caatinga.

 

a) Apresente uma característica da Caatinga que a diferencia das demais formações vegetais brasileiras.

 

b) Aponte uma consequência ambiental do desmatamento da Caatinga.

 

Resposta

 

a) Dentre as características da Caatinga que a diferenciam das demais formações vegetais brasileiras destacam-se: vegetação caducifólia, sistema radicular extenso para compensar a falta de água do subsolo, presença significativa de xerófilas e suculentas, por exemplo, cactáceas.

 

b) Dentre as consequências ambientais resultantes do desmatamento da Caatinga temos: a perda da biodiversidade, o processo de desertificação, o aumento da erosão (aumento do risco de enchentes no período chuvoso).

 

(FUVEST) Conforme proposta do geógrafo Aziz Ab’Saber, existem, no Brasil, seis domínios morfoclimáticos.

 

Assinale a alternativa correta sobre o Domínio Morfoclimático das Araucárias.

 

a) A urbanização e a exploração madeireira pelas indústrias da construção civil e do setor moveleiro tiveram papel central na redução de sua vegetação original.

b) O manejo sustentável permitiu a expansão de parreirais em associação com a mata de araucária remanescente, na faixa litorânea.

c) As araucárias recobriam as planícies da Campanha Gaúcha no sul do país, tendo sido dizimadas para dar lugar à avicultura e à ovinocultura.

d) A prática da silvicultura possibilitou a expansão desse domínio morfoclimático para a porção oeste do Planalto Ocidental Paulista.

e) A expansão do processo de arenização no sul do país provocou a devastação da cobertura original de araucária.

 

(UFPA) Na região Amazônia travam-se conflitos pela apropriação e uso dos recursos naturais. Eles se tornam intensos a partir da década de 1970 e 1980, quando os grandes projetos de exploração e beneficiamento mineral, metalúrgico, energético e agropecuário se estabelecem nesta parte do território nacional. Desde então, o capital nacional e internacional, o Estado, grupos e movimentos sociais organizados disputam a apropriação e o uso do subsolo, do solo, da água, dos bens da floresta, entre outros recursos. Sobre a atuação das organizações e dos movimentos sociais nessa região é correto afirmar:

 

a) Desde a década de 1970, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) representa os interesses de trabalhadores rurais, posseiros e peões, visto que, naquele período, as lideranças populares no campo e na cidade eram alvo da repressão política. A regularização fundiária é a sua principal reivindicação e foi somente conquistada a partir do programa Amazônia Terra Legal do Governo Federal.

b) O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) é um dos movimentos sociais críticos à matriz energética implantada na Amazônia, que constrói complexos hidrelétricos para atender as demandas dos grandes projetos de exploração e beneficiamento mineral, tais como Albrás/Alunorte. Sua principal reivindicação é a utilização de recursos renováveis como a biomassa da floresta.

c) O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra( MST) desde 1990 atua no Sudeste do Para, quando dirige as primeiras ocupações. Dentre suas reivindicações está a reforma agrária de mercado, pela qual o Movimento pressiona o Estado para que haja desapropriação e indenização das terras improdutivas e para que sejam vendidas a preços de mercado para os trabalhadores rurais.

d) A Aliança dos Povos da Floresta é um movimento social que congrega povos indígenas, seringueiros, ribeirinhos, camponeses, em suma, todos os que têm nos recursos da floresta seu principal sustento. Esse movimento nasce como resposta à implantação de grandes projetos de exploração mineral e madereira, e de beneficiamento energético, agropecuário e rodoviário, que ameaçam a reprodução da floresta, de seus recursos e povos.

e) As organizações e os movimentos sociais que atuam na Amazônia agrupam-se em torno de duas grandes matrizes: a desenvolvimentista e a ambientalista. A primeira propõe o nacional desenvolvimentismo, impulsionado por grandes obras de infraestrutura que está representado no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A segunda defende o desenvolvimento economicamente viável, ambientalmente sustentável e socialmente justo.

 

(U. E. SANTA CRUZ)

 

 

Com base nos conhecimentos sobre a vegetação do ecossistema destacado no mapa, identifique as afirmativas verdadeiras.

 

I. Estendia-se, em épocas anteriores, do litoral do Ceará às fronteiras do Brasil com o Uruguai.

II. Corresponde a uma floresta ombrófila, densa e perene.

III. É considerado um dos ecossistemas mais complexos do planeta e corresponde à Mata Atlântica.

IV. Constitui-se o único ecossistema brasileiro que é, atualmente, protegido pela legislação ambiental.

V. Sofreu grande degradação, ao longo da história do país, graças à expansão urbana e à mineração de urânio e manganês.

 

A alternativa que indica todas as afirmativas verdadeiras é a

 

a) III, IV, V

b) II, III, IV

c) I, II, IV

d) II, III

e) I, IV

 

(UFBA)

 

 

Os domínios morfoclimáticos constituem grandes combinações na associação entre os diversos elementos da paisagem, mas com uma maior influência no relevo e no clima, gerando uma certa uniformidade em escala regional.

 

Com base nas ilustrações e nos conhecimentos sobre os domínios morfoclimáticos brasileiros, identifique

 

a) o domínio que está localizado latitudinalmente, abaixo do trópico de Capricórnio, destacando dois dos seus aspectos geográficos:

 

— domínio:

— aspectos geográficos:

 

b) o domínio morfoclimático, marcado pelas maiores amplitudes térmicas anuais, que recobre extensas superfícies planálticas, citando duas de suas características:

 

— domínio:

— características:

 

c) os dois tipos de formações vegetais que originalmente fazem a transição do domínio I para o domínio II.

 

Resposta:

 

a) Domínio da Araucária (II).

 

— florestas Aciculifoliadas;

— chuvas bem distribuídas ao longo do ano;

— clima do tipo subtropical;

— existência de solos do tipo arenítico-basáltico (terra roxa);

— rios de planalto (encachoeirados) com grande aproveitamento hidrelétrico.

 

b) Domínio da Araucária (II). Mesmas características que as descritas na questão a.

 

c) O dois tipos de formações vegetais que fazem originalmente a transição dos domínios morfoclimáticos de I para II são

 

— os cerrados;

— a floresta latifoliada tropical.

 

 

 

VESTIBULAR 2010

 

(FUVEST)  Leia os textos jornalísticos a seguir.

 

Texto 1: “O respeito às unidades de conservação e às terras indígenas já demarcadas – que juntas correspondem a cerca de 37% da Amazônia Legal – garantiria a permanência da floresta e impediria a transformação da mata em savana.”

 

O Estado de S. Paulo, 16/06/2009. Adaptado.

 

Texto 2: “O atual modo de desenvolvimento da Amazônia está muito longe do desejável. É preciso incentivar as populações florestais a conduzirem atividades de desenvolvimento sustentável, remunerando, por exemplo, os serviços voltados ao ecossistema prestados pelos habitantes da floresta.”

 

Le Monde, 16/06/2009. Adaptado.

 

a) Indique duas diferenças entre as estratégias propostas nesses textos para a solução dos atuais problemas socioambientais da região amazônica.

b) Considerando que a Amazônia Legal abrange cerca de 60% do território brasileiro, calcule a porcentagem ocupada em nosso país pelas unidades de conservação e terras indígenas já demarcadas.

c) Por que a preservação da Amazônia Legal não é suficiente para garantir a manutenção da biodiversidade no Brasil?

 

Resolução:

 

A região Norte é a mais extensa do país e na proporção em que foi sendo estudada e pesquisada revelou-se muito rica em recursos naturais. Essa riqueza acaba despertando a cobiça de segmentos privados como mineradoras, madeireiras, laboratórios farmacêuticos entre outros, interessados na exploração comercial da biodiversidade amazônica.

 

a) Podemos indicar como diferenças entre as estratégias possíveis de ser adotadas para solucionar problemas socioambientais da Amazônia, propostas nos textos jornalísticos:

 

Texto 1 – proposta de uma política preservacionista que pretende a intocabilidade dos recursos com isolamento do espaço geográfico em relação aos interesses do capital. Essa proposta tem o pressuposto da forte participação do Estado nacional no manejo, fiscalização e manutenção das áreas, bem como uma estrutura de propriedade comunal da terra.

 

Texto 2 – propõe uma política conservacionista, pois aborda o tema da sustentabilidade com base em atividades extrativistas que protege os interesses do trabalho, e defende a sobrevivência dos povos da floresta enfatizando a propriedade privada como forma de acesso a terra.

 

b) A Amazônia Legal corresponde a 60% do território brasileiro e as unidades de conservação e terras indígenas já demarcadas correspondem juntas a 37% da Amazônia Legal, totalizando 22,2% do território brasileiro.

 

c) O Brasil é um país de grande extensão territorial e possui variada biodiversidade. A Amazônia Legal é uma de suas expressões. Seria necessária uma política estratégica que contemplasse a manutenção do Cerrado, da Caatinga, das Pradarias, Complexos como o Pantanal e os mangues, a Floresta Tropical e de Araucária, além de áreas de transição como a Mata dos Cocais, por exemplo.  

 

(UFAC) Pedro comprou 100 hectares de terra na zona rural de um município do Estado do Acre, com o objetivo de residir e cultivar no local. Parte de suas terras está representada na figura a seguir:

 

 

Com relação à utilização das áreas I e II das terras de Pedro, pode-se dizer:

 

a) As áreas I e II não apresentam nenhuma restrição quanto ao uso.

b) A área I apresenta áreas de preservação permanente (APPs), mas pode ser utilizada para pastagem.

c) O cultivo é indicado para a área II, porém, deve-se lembrar que a mata ciliar deve ser preservada, por se tratar de uma Área de Preservação Permanente.

d) Pedro pode retirar a mata ciliar das áreas I e II e cultivar às margens do rio, pois nestas áreas a fertilidade do solo é maior.

e) A melhor área para Pedro cultivar e fazer a sua casa é a área I, já que não há nenhum risco de erosão e, ou, impedimento legal.

 

(MACKENZIE)

 

Savana Brasileira

 

 

 

De acordo com os seus conhecimentos e as definições do Profº Aziz Ab’Saber, assinale a alternativa correta relativa ao domínio morfoclimático ilustrado.

 

a) Planaltos arenito-basálticos; clima semiárido e ocorrência de uma vegetação rasteira com predomínio de arbustos de baixo porte. Índices pluviométricos ínfimos durante todo o ano, apresentando duas estações bem definidas. Vegetação com dois extratos, arbustivo e arbóreo, definindo solo pobre, no horizonte A.

b) Relevo característico de planaltos e serras do Atlântico Leste-Sudeste, ou de escarpas que separam os planaltos das planícies litorâneas. Clima tropical úmido. Topografia de morros arredondados, modelados pelo intemperismo e pela erosão em estruturas cristalinas, devido às constantes chuvas locais.

c) Relevo tipicamente de planalto, com leves ondulações conhecidas de maneira popular como “coxilhas”, recobertas por uma vegetação herbácea conhecida como campos (árvores com folhas grossas e espinhosas).

d) Conhecido também como Domínio Tropical de chapadões florestados. O relevo é o grande elemento da paisagem. Sua vegetação original, floresta tropical, praticamente desapareceu. Com predomínio de epífitas e bromélias em toda a sua extensão, apresenta níveis pluviométricos bem distribuídos durante todo o ano.

e) Este domínio, que ocorre, principalmente, na região Centro-Oeste, também ocupa parte das regiões Norte, Nordeste e Sudeste. Caracterizado pelo clima tropical, possui solos pouco férteis, devido à sua acidez. Sua vegetação apresenta arbustos, com galhos retorcidos e raízes profundas. Possui uma estação seca e outra úmida.

 

(UFRGS)

O sistema de alerta baseado em satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) detectou 498 Km2 de desmatamentos na Amazônia Legal por corte raso ou degradação progressiva, em agosto de 2009. Desse total, 301 Km2 foram registrados no Pará.

A cada quinzena, os dados são enviados ao IBAMA, responsável pela fiscalização das áreas. O sistema indica tanto áreas de corte raso – quando os satélites detectam a completa retirada da floresta nativa – quanto áreas classificadas como degradação progressiva, que revelam o processo de desmatamento na região.

 

Adaptado de: www.inpe.br.

 

Considere as seguintes afirmações sobre o processo de exploração econômica da Amazônia e a questão ambiental.

 

I – A derrubada da floresta contribui para o aumento da precipitação na região amazônica.

II – A derrubada da floresta contribui para o avanço e a consolidação da caantiga.

III – A exploração econômica atual compromete a sustentabilidade da Floresta Amazônica.

 

Quais estão corretas?                                                    

                                                                                          

a) Apenas I. 

b) Apenas II. 

c) Apenas III. 

d) Apenas II e III. 

e) I, II e III. 

 

(PUCRJ) O extrativismo da madeira no Brasil representa cerca de 4% do PIB nacional, concentrado principalmente no sul da Bahia, no Paraná e na Amazônia. De acordo com o Código Florestal Brasileiro, as florestas da Amazônia só podem ser exploradas através de planos de manejo, um conjunto de técnicas que permite colher as árvores de grande porte protegendo as árvores menores que serão extraídas futuramente.

 

O cartograma a seguir representa o fluxo de comercialização das madeiras amazônicas.

 

pucrj2010.1_grupo3-2310_geo_03.gif

 

a) A partir das informações apresentadas no cartograma, indique e justifique o destino principal da madeira amazônica.

b) Apresente uma vantagem do uso de madeira proveniente de manejo florestal para a atividade industrial.

 

Resolução:

 

a) A extração de madeira em toras da Amazônia é destinada basicamente ao mercado interno, notadamente para o Sul e Sudeste onde se concentram o mercado consumidor com maior poder aquisitivo e as principais industrias moveleiras, em São Paulo e no Paraná.   

 

b) O manejo florestal a partir do corte seletivo de espécies de valor comercial revela-se uma prática sustentável garantindo o ciclo de reprodução natural das espécies.  

 

(UEL) Observe a imagem a seguir:

 

(Disponível em: <http://tiny.cc/cerrado862>. Acesso em: 5 jul. 2009.)

 

A imagem apresenta vegetação típica do cerrado brasileiro e, ao fundo, uma das formações características de seu relevo. Com base nessa informação, assinale a alternativa correta.

a) O domínio do cerrado corresponde em geral ao clima semiárido e à vegetação assemelhada à do deserto africano, e sua ocorrência corresponde ao planalto meridional com seus típicos “mares de morros”.

b) No domínio do cerrado geralmente predominam estações úmidas prolongadas (5 a 7 meses) e vegetação assemelhada à das estepes africanas, e sua ocorrência corresponde ao planalto das guianas com suas típicas “cuestas”.

c) No domínio do cerrado geralmente predomina o clima semiúmido com presença de vegetação semelhante à da savana africana, e sua ocorrência corresponde ao planalto central com suas típicas “chapadas” “chapadões”.

d) O domínio do cerrado em geral é associado com irregularidades de massas de ar, com predomínio da vegetação semelhante à dos cocais africanos, e sua ocorrência corresponde ao planalto brasileiro com seus típicos “tabuleiros”.

e) O domínio do cerrado corresponde em geral à região de convergência dos alísios, com vegetação rasteira assemelhada à das pradarias africanas, e sua ocorrência corresponde ao planalto atlântico com suas típicas “coxilhas”.

 

(UFT)

 

Os Cerrados arbóreos têm a fisionomia característica marcada pelas árvores e arbustos, lembrando regiões semi áridas, não há escassez de água nos cerrados, mesmo nas estações mais secas. Os cerrados brasileiros, em contraste com as savanas africanas, são úmidos, apesar da sazonalidade da umidade. (Ross, 1995)

 

Ainda sobre as características do Cerrado analise as assertativas abaixo

 

I. As estações chuvosas e secas são bem marcadas, e as precipitações anuais estão acima de 1000 mm.

II. As espécies de plantas arbóreas estão adaptadas para retirar água de grandes profundidades do solo, com raízes que atingem mais de 15 m.

III. A água não é limitante para o desenvolvimento arbóreo.

IV. A sazonalidade climática expressa-se claramente na estrutura e no funcionamento dos cerrados, que apresentam diferentes fenofases dos grupos de espécies que neles se desenvolvem.

V. De acordo com as diferentes condições geológicas, geomorfológicas e climáticas, os solos dos cerrados variam em textura, estrutura, perfil e profundidade.

 

São verdadeiras as assertativas

 

a) II, III e IV

b) II, III e V

c) I, II, III e V

d) I, II, III e IV

e) I, II, III, IV e V

 

(UNESP) Analise as afirmações sobre os recursos naturais brasileiros e os biomas que os agregam.

 

I. Na Amazônia, a expansão agrícola e a presença de assentamentos, a partir das margens de novas rodovias, não colaboram com a degradação da floresta.

II. O estudo da biodiversidade dos biomas brasileiros pode gerar riqueza e crescimento econômico na forma de novos medicamentos e novas fontes de biocombustível.

III. O cerrado, desde que corretamente manejado, é ideal para o cultivo da soja e para a criação de gado e por apresentar espécies arbóreas, arbustivas e herbáceas, frequentemente devastadas por queimadas, é considerado como um bioma pouco expressivo em biodiversidade.

IV. Os desmatamentos e as queimadas da Floresta Amazônica transformam os solos férteis, ricos em húmus, em solos frágeis e pobres em nutrientes, tornando-os inadequados à agricultura.

V. A conservação de áreas com vegetação nativa ajuda a purificar e manter os cursos d’água, restaurando o solo e diminuindo o impacto das mudanças climáticas.

 

(Edward O. Wilson. Veja, Edição Especial 40 anos, Setembro/2008. Adaptado.)

 

Estão corretas apenas as afirmações

 

a) I, II e III.

b) III, IV e V.

c) II, IV e V.

d) I, II e IV.

e) II, III e V.

 

(UNICAMP) A evapotranspiração constitui a fonte de umidade atmosférica a partir da movimentação de água através do ciclo hidrológico. Nas áreas continentais os máximos de evaporação ocorrem nas regiões equatoriais.

 

(Adaptado de Kenitiro Suguio e João J. Bigarella, Ambientes Fluviais. Florianópolis, Editora da UFSC, 1990, p.5.)

 

a) Quais fatores determinam a maior evapotranspiração nas regiões equatoriais do globo?

b) Quais os processos que compõem a evapotranspiração?

 

Resolução

 

a)

 

Nas áreas continentais, os máximos de evaporação ocorrem nas regiões equatoriais em conseqüência da alta radiação solar (áreas mais quentes), da importante cobertura de floresta e da grande disponibilidade de água.

 

b)

 

Os processos associados à evapotranspiração são a perda de água do solo e de corpos hídricos por evaporação, e a perda de água das plantas por transpiração.

 

(ACAFE) Milton Santos, geógrafo renomado, arguido sobre qual geografia ensinar, apontou como ponto de partida uma geografia do presente, o que significa “saber o que o mundo é e como ele se define e funciona, de modo a reconhecer o lugar de cada país no conjunto de cada planeta e o de cada pessoa no conjunto da sociedade humana”.

 

Nesse sentido, analise o texto a seguir.

 

“Mata Atlântica: é o bioma que foi mais inten-samente alterado pela ação humana desde o descobrimento. Sobre ele está concentrada a maior parte da população brasileira e de suas atividades produtivas, agrícolas e industriais. O bioma se estende desde o litoral do Rio Grande do Norte até o litoral do Rio Grande do Sul, sendo importante principalmente na região Su-deste. Com 1.110.182 km2, é o terceiro maior bioma em extensão e ocupa 13,04% do território nacional. Dele restam 27% da vegetação origi-nal (21,8% de floresta e 3,8% de não-floresta) e as áreas antropizadas correspondem a 71%”.

 

Fonte: Atlas da Questão Agrária Brasileira, acessado em 01/09/2009.

 

A atualidade do bioma citado fica mais bem entendida quando se conhece o processo de sua ocupação. O papel do cidadão é entender a forma como o espaço geográfico está organiza-do e nele atuar de forma crítica.

Assim, sobre esta cobertura vegetal é correto afirmar, exceto:

a) A exploração do pau-brasil, o plantio da cana-de-açúcar, do café, a industrialização e a expansão urbana foram, ao longo da história do Brasil, ações que contribuíram significativamen-te para a destruição da Mata Atlântica.

b) A devastação da cobertura vegetal, as formas de extrativismo, a expansão urbana e a agricultura têm contribuído consideravelmente para a dizimação da mata Atlântica, com perda significativa da sua biodiversidade.

c) A Mata Atlântica presta importante serviço ambiental de proteção aos solos e encostas, regulação climática, além da proteção dos ma-nanciais de água potável que se destina a um grande número de brasileiros.

d) A continuidade dos processos hidrológicos responsáveis pela quantidade e qualidade da água potável para grande parte da população brasileira independe da preservação da Mata Atlântica.

 

(UFMG) Analise este fluxograma:

 

 

CAPOBIANCO, João Paulo Ribeiro (Coord.). Biodiversidade na

Amazônia Brasileira: Avaliação e ações prioritárias para conservação,

uso sustentável e repartição de benefícios. São Paulo: Estação

Liberdade, Instituto Socioambiental, 2001. p. 181.

 

A partir da análise desse fluxograma e considerando-se outros conhecimentos sobre o assunto, é INCORRETO afirmar que

a) a inflamabilidade da floresta decorre de ações humanas associadas, direta ou indiretamente, a causas naturais.

b) a redução da cobertura florestal, ao comprometer a evapotranspiração, pode, a longo prazo, acarretar redução das chuvas.

c) o aumento do número e da intensidade das queimadas na Amazônia pode tornar-se, num ciclo vicioso, um processo de retroalimentação.

d) o fenômeno El Niño tem relação direta, mas favorável, com a redução das queimadas na Amazônia brasileira.

 

(UFRGS) Observe a figura a seguir, usada em recentes manifestações ambientalistas.

 

 

Essa imagem expressa uma crítica

a) ao aumento de exportação de carne e madeira para a China. 

b) à transformação de florestas em pastagens. 

c) aos investimentos norte-americanos na megassivilcultura no Brasil. 

d) ao binômio criação de gado e florestas cultivadas. 

e) às restrições impostas pela fome na África. 

 

VESTIBULAR 2009

 

(UFSJ)

 

Geopoiítica da Amazônia

 

"A floresta só deixará de ser destruída se tiver valor econômico para competir com a madeira, com a pecuária e com a soja. Mesmo com os grandes avanços na sua proteção, a questão de manter a capacidade sustentável da floresta ainda não foi solucionada. Florestas e terras são bens públicos e, por isso, são trunfos que estão sob o poder do Estado, que tem autoridade para dispor deles, segundo o interesse da nação." (Bertha K. Becker)

 

(Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php acessado em 15 de julho de 2008)

 

Assinale a alternativa que apresenta a proposta CORRETA para o desenvolvimento da região amazônica em bases mais sustentáveis.

a) Desenvolvimento de políticas para a integração do índio à população local, diminuindo assim o tamanho das reservas e garantindo a soberania do nosso território.

b) Incentivos à pesquisa e à utilização da biodiversidade e do conhecimento - fruto da diversidade cultural dos povos da floresta para o desenvolvimento da biotecnologia.

c) Erradicação da pecuária e da agricultura da região evitando, assim, o desmatamento de novas áreas para a formação de pastagens e cultivos.

d) Criação de uma nova legislação ambiental, visto que as leis em vigor no Brasil são pouco rígidas, o que incentiva o desmatamento.

 

(FUVEST)

 

 

A crítica contida na charge visa, principalmente, ao

a) ato de reivindicar a posse de um bem, o qual, no entanto, já pertence ao Brasil.

b) desejo obsessivo de conservação da natureza brasileira.

c) lançamento da campanha de preservação da floresta amazônica.

d) uso de slogan semelhante ao da campanha “O petróleo é nosso”.

e) descompasso entre a reivindicação de posse e o tratamento dado à floresta.

 

(FUVEST)

 

 

O pressuposto da frase escrita no cartaz que compõe a charge é o de que a Amazônia está ameaçada de

a) fragmentação.

b) estatização.

c) descentralização.

d) internacionalização.

e) partidarização.

 

(UFES)

 

 

O homem se aproveita das formações vegetais litorâneas para a utilização da lenha e a extração de tanino para curtume, provocando, por vezes, o completo desaparecimento dessa vegetação. Esse desaparecimento é também facilitado pelas obras de aterro ao longo de trechos da costa. A fim de contrabalançar ou, pelo menos, minorar os prejuízos causados pela devastação dessa formação vegetal, pouco ou quase nada tem sido feito. De modo geral, quase todas as iniciativas em prol do reflorestamento são devidas a particulares. Cumpre salientar, porém, que, em geral, o que se pratica entre nós, especialmente por iniciativa privada, não representa um verdadeiro reflorestamento, mas, sim, um plantio com objetivos comerciais. As principais áreas replantadas o foram, quase sempre, a fim de assegurar matéria-prima necessária a determinados empreendimentos.

 

(ROMARIZ, Dora de Amarante. A vegetação. In: Azevedo, Aroldo do (Org.). Brasil: a terra e o homem. 2. ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1972. v. I , cap. IX, p.547. Adaptado.)

 

 

No território do Espírito Santo, as situações mencionadas no Texto se manifestam

a) na urbanização diferenciada das áreas litorâneas, que promove a contenção da impermeabilização do solo.

b) nos aterros realizados no município de Vitória, que se destinaram exclusivamente às instalações portuárias.

c) no cultivo do eucalipto em sistema de monocultura, que assegura matéria-prima para a indústria de papel e celulose.

d) nas unidades de conservação e corredores ecológicos, que garantem a preservação de toda faixa litorânea capixaba.

e) no aproveitamento do tanino do mangue vermelho na fabricação das panelas de barro artesanais, o que tem promovido a extinção desta espécie.

 

(UFSCAR) Dois problemas ambientais similares, porém distintos, têm afetado o solo de regiões brasileiras situadas a cerca de quatro mil quilômetros de distância uma da outra: a desertificação e a arenização.

 

(L. Almeida & T. Rigolin, 2005.)

 

A respeito destes problemas e de suas áreas de abrangência, é correto afirmar que:

a) a desertificação ocorre em regiões de clima árido e a arenização em áreas de clima tropical alternadamente úmido e seco.

b) a desertificação é típica de regiões de solos profundos, com formação intensa de lateritas, e a arenização é típica de solos pobres de elevada acidez.

c) a desertificação vem ocorrendo nos planaltos centrais do Brasil e a arenização é característica do norte da Amazônia, onde há desmatamento.

d) a desertificação ocorre em áreas de relevo de planícies aluviais e a arenização em relevos cristalinos levemente ondulados.

e) no Brasil, há risco de desertificação no bioma da caatinga e verificam-se pontos de arenização no sudoeste do Rio Grande do Sul.

 

(INATEL) Leia o texto e responda as questões duas questões que seguem

 

SOJA DESMATA A AMAZÔNIA, COMPROVA DADO DE SATÉLITE

 

Soja desmata?

Já havia vários indicativos. Mas a resposta dada por um estudo publicado hoje não é só um categórico “sim”. É um “quanto”também. Cruzando imagens de satélite com levantamentos em campo, cientistas dos EUA e do Brasil estimaram em 5400 quilômetros quadrados o total de floresta convertida diretamente para grãos em Mato Grosso de 2001 a 2004. No ano de 2003, quando o preço da soja no mercado internacional atingiu seu pico, a conversão direta para lavoura representou quase um quarto de tudo o que se desmatou no Estado campeão da devastação da Amazônia. Para quem gosta de números, é quase um Distrito Federal onde a soja substituiu a floresta diretamente – sem contar o efeito conhecido do grão de “empurrar” a fronteira agrícola indiretamente, estimulando a pecuária a ocupar novas áreas. Nesse período, de 2001 a 2004, Mato Grosso desmatou 38 mil quilômetros quadrados, ou 3,5 Jamaicas, 40% de tudo o que se perdeu de floresta na Amazônia.

O novo estudo, publicado na revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA, derruba um argumento dos sojicultores para dissociar sua atividade da fama de vilã da floresta. É o de que a soja só faz ocupar áreas previamente desmatadas para pastagem e abandonadas pelos pecuaristas – os dados mostram que isso acontece, sim, mas não explica toda a dinâmica do desflorestamento.

O que os pesquisadores afirmam é que a soja virou, nos últimos anos, um dos grandes vetores da destruição da Amazônia. Uma destruição acelerada, com uso intensivo de tecnologia e com o potencial de se espalhar para outras regiões da floresta. Basta, para isso, o preço do grão subir no mercado externo.

Os autores demonstraram que existe forte correlação do preço da soja com a taxa anual de desmatamento. Usando imagens de satélite, já foi possível diferenciar desmatamentos para pasto e para lavoura, verificando que as áreas dedicadas a plantio eram duas vezes maiores que as abertas para pecuária, o que significa a proporção de 333 hectares contra 143 hectares, em média.

Foi constatado ainda que houve uma queda de 12% na conversão de floresta para pasto, enquanto a de

floresta para lavoura cresceu 10% no período.

 

Folha de S.Paulo, 05.09.2006. Adaptado.

 

O gráfico, publicado no jornal O Estado de S.Paulo, 05.09.2006, mostra, em porcentagem, quem mais desmatou na Amazônia Legal entre agosto de 2005 e julho de 2006. Constatamos que, apesar de ter registrado queda na área desmatada, em comparação com igual período do ano anterior, em função da queda do preço da soja, Mato Grosso continua como o Estado campeão do desmatamento.

 

 

Sabendo-se que entre agosto de 2005 e julho de 2006, juntos, Acre, Maranhão e Tocantins desmataram 660 km², pode-se afirmar que nesse mesmo período Mato Grosso desmatou

 

a) 4 700 km².

b) 5 071 km².

c) 5 710 km².

d) 5 740 km².

e) 5 980 km².

 

As atividades econômicas na região amazônica, particularmente a pecuária e o cultivo de soja, são responsáveis pela redução de enormes áreas de florestas. Que alternativa apresenta uma conseqüência irreversível decorrente da falta da floresta original?

 

a) Redução da biodiversidade, pois muitas espécies ainda desconhecidas desaparecerão.

b) Redução da vazão dos grandes rios da região devido ao acúmulo de madeira no seu curso.

c) Redução da erosão do solo graças ao aumento da produtividade agrícola da região.

d) Aumento do número de espécies na região, pois a pecuária e a soja atraem novos seres vivos para a área.

e) Aumento da intensidade das chuvas que caem na região, gerando grandes alagamentos.

 

 

VESTIBULAR 2008

 

(UFF) Tendo em vista que aterro sanitário é uma forma de disposição final dos resíduos sólidos gerados pelas atividades humanas, e é objeto de investimentos governamentais, analise o gráfico abaixo.

 

Sobre o destino do lixo no Brasil, analise as seguintes afirmativas:

 

I) Mais de 60% dos municípios dispõem o lixo adequadamente em aterros sanitários em todas as grandes regiões brasileiras.

II) Na região Sudeste existe um número maior de municípios dispondo o lixo em aterros sanitários do que nas regiões Sul e Nordeste reunidas.

III) Os dados do gráfico permitem deduzir que os investimentos públicos em relação à correta destinação do lixo são insuficientes.

 

Está (ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):

 

a) I e II, apenas

b) I, II e III

c) I e III, apenas

d) II e III, apenas

e) I, apenas

 

(Ufba/Ufrb)

 

(LUCCI, E. A.; BRANCO, A. L.; MENDONÇA, C. Território e sociedade no mundo globalizado: geografia geral e do Brasil: ensino médio. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 492.)

 

A partir da análise da ilustração e dos conhecimentos sobre a questão ambiental no planeta e, particularmente, no Brasil, pode-se afirmar:

 

(01) O efeito estufa é um fenômeno natural e fundamental para a vida na Terra, porém a sua intensificação, resultante do aumento das concentrações de CO2 e de outros gases provocados pelas atividades humanas, tem gerado, segundo alguns especialistas, o aquecimento global, com cenários previsíveis de mudanças climáticas.

(02) Uma redução na produção de clorofluorcarbonos (CFCs) se tornou realidade após o compromisso assumido pelos países que assinaram o Protocolo de Montreal, apesar de não existirem estudos definitivos de que esses gases sejam os principais responsáveis pela destruição da camada de ozônio.

(04) A questão ambiental da Amazônia, com amplo debate em âmbito nacional quanto à exploração de sua biodiversidade, tem sido resolvida de forma responsável, conciliando desenvolvimento social e preservação ambiental.

(08) Os impactos regionais decorrentes dos desmatamentos, aliados ao aquecimento global, produzem climas mais quentes e, possivelmente, mais secos, favorecendo a ocorrência de incêndios florestais e ampliando a vulnerabilidade dos ecossistemas tropicais.

(16) O reduzido aumento da taxa de agrotóxicos em comparação com o crescimento da taxa de fertilizantes, como registrado no gráfico, se deve, dentre outros fatores, a uma maior conscientização e mobilização mundial em torno da questão ambiental.

(32) Os avanços tecnológicos, como a construção e o lançamento de satélites artificiais de sensoriamento remoto e o desenvolvimento da informática, tiveram papel fundamental na qualidade das pesquisas voltadas para os problemas ambientais.

(64) A política eficiente de controle dos deslizamentos de terras existentes em Salvador, desde a época colonial, é resultado da atuação dos poderes públicos municipais, que vêm promovendo, nos últimos anos, o reflorestamento das encostas e vales da cidade.

 

Resposta: 59 (01+02+08+16+32)

 

(UEMG) Das florestas tropicais remanescentes no mundo, a Floresta Amazônica é a de maior

extensão e possui uma biodiversidade extraordinária. Analise o perfil dessa floresta, a seguir.

 

 

(ADAS, Melhem. Panorama Geográfico do Brasil)

 

Indique a alternativa em que a descrição NÃO caracteriza a Floresta Amazônica.

 

a) A Floresta Amazônica apresenta três degraus de vegetação, tendo por base os níveis altimétricos: a mata de igapó, a mata de várzea e a mata de terra-firme.

b) A mata de igapó está localizada em área de planície típica da região e ocupa o solo  permanentemente alagado.

c) A mata de terra firme recobre as áreas mais elevadas, que não estão sujeitas às inundações.

d) O relevo é mais acidentado nas proximidades do Planalto das Guianas, localizado na porção meridional da Floresta Amazônica.

 

(FUVEST) Com referência à biodiversidade, existem no mundo 17 países classificados como “megadiversos”. Dentre eles, destacam-se: Tailândia, Indonésia, Gabão, Congo, Colômbia e Brasil. Considerando as relações entre biodiversidade, economia e geopolítica,

 

a) explique, utilizando-se de dois argumentos, por que a biodiversidade tornou-se um elemento importante, do ponto de vista econômico, no mundo atual.

 

b) esclareça, utilizando-se de dois argumentos, a importância geopolítica da Amazônia.

 

Resposta

 

a) Entendendo-se por biodiversidade o conjunto de seres vivos que se encontram num determinado meio ambiente e, por extensão, em todos os ambientes do globo, sua importância para a economia mundial globalizada vem aumentando. Como exemplo, pode-se citar, primeiramente, que o elevado número de espécies nos diversos ambientes pode proporcionar recursos econômicos pelo processo de exploração, desde que se dê da forma sustentável. Um outro argumento a ser citado é que a exploração

sustentável ajuda a manter o equilíbrio ambiental, melhorando o desenvolvimento do conjunto das

economias. Outras viabilidades econômicas da conservação da biodiversidade são a exploração

turística sustentável e a venda de créditos de carbono.

 

b) A Amazônia é uma região geográfica que mantém características físicas, humanas e econômicas

constantes ao longo de seis países sul-americanos.  Assim, pensando-se em geopolítica, vários argumentos evidenciam sua importância, entre eles:

 

– o controle das águas dos rios da bacia amazônica, num momento em que cresce a importância da

questão hídrica mundial;

 

– a dificuldade de controle do espaço aéreo amazônico no caso de vôos clandestinos, ou mesmo, no caso de um conflito internacional;

 

– a questão do controle dos recursos energéticos, minerais, vegetais e animais, gerando disputas

entre os países que compartilham a Amazônia;

 

– a importância que a Amazônia adquire, em escala global, tendo em vista os diversos interesses

econômicos e estratégicos que ela suscita por ser um dos ambientes mais biodiversos do mundo;

 

– finalmente, a importância que o Brasil apresenta nas decisões sobre a Amazônia por ser o país que

abarca a maior parte dessa região natural.

 

(FUVEST)

 

 

O mapa acima representa os prováveis limites das formações vegetais de parte do território brasileiro à época do descobrimento. As formações vegetais e o relevo do perfil F – G no mapa estão corretamente representados em:

 

a)

 

 

b)

 

 

c)

 

 

d)

 

 

e)

 

 

(UFPE) Observe atentamente o mapa a seguir, onde estão delimitados os grandes domínios climáticos do Brasil. Com relação a esses domínios indicados pelos números, é correto dizer que:

 

 

(    ) o domínio 1 corresponde à área do país que apresenta um regime pluviométrico profundamente subordinado às invasões de sistemas frontais.

(    ) o domínio 2, cuja porção ocidental exibe um amplo mosaico de paisagens vegetais xerófilas, tem um regime pluviométrico associado  a sistemas  atmosféricos extratropicais.

(    ) o domínio 3 , nitidamente semi-árido, notabiliza-se pelas secas periódicas, cuja causa principal é o fenômeno “La Niña”, verificado no Atlântico Sul.

(    ) o domínio 4 é típico de áreas de transição climática; representa a área do país onde as mínimas térmicas são as mais significativas.

(    ) o domínio 5 é notadamente tropical, mas em pleno domínio equatorial, e se caracteriza por possuir uma estação seca mais prolongada , que favorece a ocorrência de cerrados.

 

Resposta: FFFVV

 

(UFT) Os fatores básicos que diferenciam os cerrados das caatingas estão relacionados com a posição e o volume da água existente logo abaixo da superfície durante a estação seca. Nesses ambientes o lençol d`água fica abaixo do nível dos talvegues, entretanto, no cerrado existe água permanentemente disponível para vegetais de raízes longas e pivotantes.

 

 

Figura: A caatinga na visão de Percy Lau (AB`SABER, 2003)

 

Figura: O cerrado na visão de Percy Lau. Fonte: AB`SÁBER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: Potencialidades

paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p. 32 – 33.

 

Com base no texto e na figura é CORRETO afirmar que:

 

a) É nos suportes ecológicos da dinâmica das águas superficiais que reside a grande diferença entre os ecossistemas cerrado e caatinga.

b) É nos suportes ecológicos da dinâmica geológica que reside a grande diferença entre os ecossistemas cerrado e caatinga.

c) É nos suportes ecológicos da dinâmica dos lençóis d`água subsuperficiais que reside a grande diferença entre os ecossistemas cerrado e caatinga.

d) É nos suportes ecológicos da dinâmica geomorfológica que reside a grande diferença entre os ecossistemas cerrado e caatinga.

 

(UNICS)

 

“... na época do descobrimento do Brasil, uma cobertura florestal praticamente contínua, ainda que  muito diversificada em sua constituição fitofisionômica e florística, estendia-se ao longo da costa, do Rio

Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, com amplas extensões para o interior, cobrindo a quase totalidade dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, além de partes de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, bem como de extensões na Argentina e no Paraguai. Essa imensa floresta heterogênea, que ocupava uma superfície superior a 1.000.000 de quilômetros quadrados, somente no Brasil (cerca de 12 % da superfície do País), embora hoje muito reduzida e fragmentada, justifica uma denominação comum que a considere na sua totalidade.”

 

(CÂMARA, I. G., 1996:18)

 

Identifique, a partir da leitura desse fragmento de texto, a que tipo de cobertura florestal o autor se  refere, assinalando a alternativa correta:

 

a) Floresta Equatorial Amazônica

b) Floresta Subtropical

c) Floresta Atlântica

d) Floresta de Araucárias

e) Floresta de Cocais

 

(UFC) Estudos realizados por biólogos e arqueólogos têm mostrado a extraordinária capacidade dos índios da Amazônia de explorar os recursos da natureza sem destruí-los, mas a história do Brasil, desde o início de sua exploração pelos europeus, é a história da destruição da natureza. Sobre os processos de uso e ocupação do território e de degradação do meio ambiente, é verdadeiro afirmar que:

 

a) a devastação da cobertura vegetal primitiva foi iniciada ainda no período colonial, pela região Norte, fato que a torna a mais degradada das regiões brasileiras.

b) a grande dimensão territorial, a intensa importação de alimentos e a alta fertilidade natural são fatores que asseguram a preservação dos solos brasileiros.

c) a derrubada de florestas, a caça predatória e o uso do fogo para conquista de novas áreas agropecuárias conduzem à dilapidação da fauna no Brasil.

d) à medida que a política ambiental evoluiu, estabeleceu-se, a partir de Lei Federal, que o território brasileiro seria um santuário natural.

e) os esgotos produzidos pela população são, na maioria dos municípios brasileiros, despejados em unidades de tratamento apropriadas.

 

(UFASCAR) O processo de desertificação de uma área consiste em uma diminuição progressiva nos índices de umidade e no empobrecimento dos solos arenosos, que se tornam inviáveis para a agricultura. A esse respeito, analise as seguintes afirmativas:

 

I. O uso inadequado do solo, os desmatamentos, as sucessivas queimadas, monocultura e sobrepastoreio são atividades que ocasionam a desertificação.

II. No Brasil, o processo de desertificação vem ocorrendo basicamente em certas áreas do Nordeste e do Rio Grande do Sul.

III. O abandono de uma área agrícola, que fica vários anos sem ser cultivada, inicia o processo de desertificação.

IV. O processo de desertificação de uma área não se explica por mudanças locais e sim pelo aquecimento global da atmosfera da Terra.

 

São corretas as seguintes afirmativas:

 

a) I e II.

b) I e III.

c) II e III.

d) II e IV.

e) I e IV.

 

 

VESTIBULAR 2007

 

(CEFET – ENSINO MÉDIO) O gráfico, publicado no jornal O Estado de S.Paulo, 06.09.2006, mostra, em porcentagem, quem mais desmatou na Amazônia Legal entre agosto de 2005 e julho de 2006. Constatamos que apesar de ter registrado queda na área desmatada, em comparação com igual período do ano anterior, em função da queda do preço da soja, Mato Grosso continua como o Estado campeão do desmatamento.

 

 

Sabendo-se que entre agosto/05 e julho/06, juntos, Acre, Maranhão e Tocantins desmataram 660 km², pode-se afirmar que nesse mesmo período Mato Grosso desmatou

 

a) 4 700 km².

b) 5 071 km².

c) 5 710 km².

d) 5 740 km².

e) 5 980 km².

 

(CEFET) Comprar terras e mais terras é o “grande negócio” de muitos investidores que expandem suas propriedades pelo Brasil afora. Sobre o assunto, considere o mapa e as afirmações a seguir.

 

 

(Oliveira, Ariovaldo U. Amazônia: monopólio, expropriação e conflitos. Campinas: Papirus, 1990, p. 81)

 

I. A área com maior número de projetos agropecuários na Amazônia coincide com o chamado “arco de desflorestamento”.

II. A expansão das áreas destinadas aos projetos tem gerado vários conflitos com a população local – posseiros e indígenas.

III. O crescimento das grandes propriedades na região tem sido feito, principalmente, com investimentos de médios proprietários nordestinos que buscam terras mais baratas.

IV. O principal ponto positivo dessa ocupação de novas terras é o considerável aumento do número de empregos formais na região.

 

Está correto apenas o que se afirma em

 

a) I e II.

b) I e III.

c) I e IV.

d) II e III.

e) III e IV.

 

 

(FGV - ECNOMIA) A lei de Gestão de Florestas Públicas, que foi sancionada pelo governo federal no início de 2006, consiste em

 

a) demarcar as florestas nacionais em Áreas de Proteção Ambiental.

b) conceder, durante um determinado período, as florestas públicas nacionais para a exploração madeireira ou para outras atividades econômicas.

c) utilizar os espaços florestais para reservas indígenas e parques ecológicos.

d) autorizar a pesquisa e extração de petróleo nas florestas nacionais públicas situadas na Amazônia.

e) permitir pesquisas sobre a diversidade biológica, nas florestas nacionais, em parceria com empresas privadas.

 

(FUVESTt)

 

Fonte: Atlas geográfico escolar, IBGE, 2002.

 

A Mata Atlântica é reconhecida como um dos biomas mais importantes do mundo, principalmente em função de sua alta diversidade e endemismo. No entanto, existe uma grande preocupação com alguns de seus aspectos geográficos atuais: o tamanho diminuto e a fragmentação de suas áreas remanescentes.

a) Identifique as áreas 1 e 2 da Mata Atlântica, representadas no mapa.

b) Explique por que os corredores ecológicos, vistos como elo de ligação entre áreas fragmentadas,

podem ser instrumentos auxiliares na preservação dos biomas brasileiros. Justifique sua resposta, analisando a atual situação da Mata Atlântica.

 

Resposta

 

a) As áreas 1 e 2 representam, respectivamente, a área original e a atual de abrangência da mata

Atlântica.

b) Os corredores ecológicos favorecem a expansão do "habitat" e a troca de material genético, com conseqüente fortalecimento do processo de preservação das espécies, o que na atualidade ajudaria na preservação dos "bolsões" de mata Atlântica.

 

(FGV - ECNONOMIA) A lei de Gestão de Florestas Públicas, que foi sancionada pelo governo federal no início de 2006, consiste em

 

a) demarcar as florestas nacionais em Áreas de Proteção Ambiental.

b) conceder, durante um determinado período, as florestas públicas nacionais para a exploração madeireira ou para outras atividades econômicas.

c) utilizar os espaços florestais para reservas indígenas e parques ecológicos.

d) autorizar a pesquisa e extração de petróleo nas florestas nacionais públicas situadas na Amazônia.

e) permitir pesquisas sobre a diversidade biológica, nas florestas nacionais, em parceria com empresas privadas.

 

(PUCPR) Em relação aos domínios morfoclimáticos situados na Região Sul do Brasil e suas principais características, avalie cada afirmação abaixo:

 

I – Dois domínios morfoclimáticos de nosso país situam-se inteiramente na Região Sul: as pradarias, no sul e sudoeste gaúcho e o domínio das araucárias que se estende desde o centro do Paraná ao norte do Rio Grande do Sul.

II – As mais baixas temperaturas registradas no país ocorrem na Região Sul, na região de Chuí e dos banhados e restingas do Parque Nacional do Taim, bem próximo da divisa do Rio Grande do Sul com o

Uruguai, devido à elevada latitude do local.

III - O clima subtropical úmido predomina na Região Sul, embora nas porções menos elevadas do relevo, como no litoral e nos vales do Rio Paraná e Uruguai, sejam registradas temperaturas bastante elevadas, sobretudo nos meses de verão.

IV – O domínio dos Mares de Morros Florestados, que se caracteriza, entre outras coisas, por abranger os últimos remanescentes da Floresta Atlântica não é encontrado na Região Sul, uma vez que o limite meridional desse domínio se situa na Baixada Santista, no litoral paulista.

V – A maior parte dos cursos fluviais da Região Sul pertence à Bacia Platina, seguindo para os rios

Uruguai e Paraná, que fazem o limite ocidental dessa região brasileira com o Paraguai e a Argentina.

As afirmativas corretas são:

 

a) I, III e V.

b) II, III e IV.

c) II, IV e V.

d) I, II, III e IV.

e) I, II, IV e V.

 

(UFRN) Em uma aula de Geografia, o professor projetou para os alunos slides contendo características importantes de domínios morfoclimáticos brasileiros.

 

Os slides 1, 2, 3 e 4 correspondem, respectivamente, a características dos seguintes domínios morfoclimáticos:

 

a) mares de morros, caatinga, amazônico e cerrado.

b) cerrado, caatinga, mares de morros e amazônico.

c) cerrado, mares de morros, caatinga e amazônico.

d) caatinga, cerrado, amazônico e mares de morros.

 

 

 

 

 

ATUALIZADO EM 20/07/2014